Aparalisação de três fabricantes de motos por falta de peças e insumos na última semana de janeiro acabou afetando o desempenho do mercado de veículos duas rodas, que registrou 85.839 emplacamentos no mês passado, o que representou queda de 6,4% sobre janeiro do ano passado (91.691) e de 13,1% em relação a dezembro passado (98.829 unidades).

Os dados foram divulgados esta semana pela Fenabrave, com a ressalva de que as vendas foram impactadas falta de produtos no varejo. Segundo a entidade, o estoque de motos nas concessionárias está extremamente baixo e, para alguns modelos, a espera chega a até 60 dias.

“A demanda segue aquecida, fomentada pela consolidação da motocicleta como veículo de transporte pessoal e de carga, fruto principalmente das vendas do e-commerce”, avalia o presidente da entidade, Alarico Assumpção Júnior. Além disso, também contribui para o aquecimento da demanda a boa oferta de crédito pelas instituições financeiras, que estão aprovando 45% das propostas apresentadas, segundo o executivo.

Anúncio

LEIA MAIS

Montadoras de motos suspendem produção em Manaus

Apesar da falta de peças, Abraciclo prevê produção 10% maior em 2021

Honda, Dafra e J. Toledo (Suzuki) suspenderam a produção em suas fábricas de Manaus, AM, no último dia 25 e só retornaram nesta semana. O problema com escassez de matéria-prima e peças, como transmissões e pneus, se arrasta desde o último semestre do ano passado. De acordo com balanço da Fenabrave, no ranking histórico das vendas de motos, o mês de janeiro desta ao ficou na 14ª colocação.


Foto: Divulgação/Honda