Desde sua inaguração, em 1976, ainda como uma unidade da Fiat Automóveis, a fábrica da Stellantis localizada no complexo industrial de Betim, MG, já produziu 15 milhões de transmisssões. A marca, que acaba de ser alcançada, mostra bem como o ritmo andou acelerado na planta mineira nesta última década.

Do primeiro câmbio C506 que equipou a família do pioneiro Fiat 147 — e depois do Uno— até 2010, saíram da linha de montagem 10 milhões de unidades, em longos 34 anos. Mas em 2013, portanto apenas 3 anos depois, Betim já ultrapassaria 12 milhões de transmissões e, desde então, mesmo com o forte declínio do mercado interno a partir de 2014 até 2018 e novamente no ano passado, acresceu outros 3 milhões de unidades.

Ou seja, um terço de toda a produção acumulada ao longo de 45 anos foi registrado de 2011 para cá. Perto de 3,7 milhões somente do C506, que deixou de ser produzido em 1996 para dar lugar ao  C513.  Em 1999, Betim passou a montar o C510 para motores acima de 1.6 litro e em 2008 a transmissão automatizada Dualogic.

Stellantis fábrica

Com novos investimentos e uma família de motores turbo pronta para chegar aos veículos das várias marcas do grupo já a partir de meados deste ano, a produção em Betim tende a crescer, e crescer bem.

Anúncio

Se em 2020 foram montados 320 mil câmbios, a projeção da Stellantis é ultrapassar 500 mil unidades em 2021, crescimento da ordem de  60%, a maior parte do modelo C-513, presente nos Fiat Nova Strada, Argo, Mobi, Uno, Cronos, Fiorino e Grand Siena. Betim fabrica ainda o câmbio C-150, que equipa as versões manuais da picape Fiat Toro e do Jeep Renegade, veículos produzidos em Goiana, PE.

Com um quadro de aproximadamente 800 funcionários e 30 mil m², a fábrica engloba as áreas de usinagem, tratamento térmico e montagem e já alcançou produção diária superior a 1,7 mil transmissões – perto de 10% seguem para a Argentina.

LEIA MAIS

→ FCA já exportou mais de 130 mil motores Firefly para a Europa

→ Stellantis não vai fechar fábricas na América do Sul

O recorde de produção, contudo, foi alcançado em 2013, quando diariamente a planta fabricava 2,5 mil transmissões em média, e a então Fiat Automóveis fabricou 763 mil veículos, segundo maior volume da história da empresa no Brasil, superado apenas pelas 838 mil unidades alcançadas um ano antes.

A unidade de transmissões integra o Polo Powertrain de Betim, capaz de produzir 700 mil motores a cada ano e que, após investimentos para atualização de processos nos últimos dois anos, começará a fabricar motores turbo. “Estamos bem próximos de alcançar o objetivo de sermos o maior hub de powertrain da América do Latina”, enfatiza Pierluigi Astorino, diretor de Manufatura da Stellantis para a América do Sul, Pierluigi Astorino.


Foto: Divulgação