A Mercedes-Benz é mais uma das fabricantes que decidiram por uma parada programada para engrossar a luta contra a Covid-19. O agravamento da crise sanitária motivou a empresa a interromper a produção das fábricas de São Bernardo do Campo (SP) e Juiz de Fora (MG) a partir do dia 26 de março e retorno previsto em 5 de abril

A decisão, alinhada com os sindicatos dos metalúrgicos, “é contribuir com a redução de circulação de pessoas neste momento crítico no País, administrar a dificuldade de abastecimento de peças e componentes na cadeia de suprimentos, além de atender a antecipação de feriados por parte das autoridades municipais”, diz o comunicado.

A Mercedes-Benz adianta que as medidas restritivas permanecem a partir de 5 de abril com férias coletivas aos funcionários da produção em grupos alternados, uma maneira de preservar o distanciamento social nas unidades.

A decisão, portanto, também impactará em ritmo de produção menor ao longo dos próximos meses. A exemplo de outras fabricantes, os administrativos seguem com suas atividades em trabalho remoto. A Mercedes-Benz emprega em torno de 10 mil pessoas no País.

A empresa reforça, porém, que continuará atendendo os clientes com produtos e serviços. “A rede de concessionários e suas oficinas permanecerão em funcionamento seguindo todas as medidas preventivas, com exceção daquelas localizadas em estados ou cidades em que há orientação do poder público de interrupção das atividades.”

Anúncio

Além da Mercedes-Benz, Scania, Volvo e Volkswagen já decidiram suspender a produção de veículos no País devido ao agravamento da pandemia.

LEIA MAIS

→Volvo reduz produção na fábrica de Curitiba

→Scania decide parar após negociações com o sindicato

→Covid-19: VW paralisa todas as operações no País por 12 dias.

→Anfavea: decisão de parar está a cargo de cada montadora.


Foto: Mercedes-Benz/Divulgação