A Volvo irá reduzir em 70% o ritmo de produção na fábrica de Curitiba (PR) de terça-feira, 23, até o fim de março. De acordo com comunicado da fabricante, a decisão se deve ao “alto nível de instabilidade na cadeia – global e local – de abastecimento de peças, principalmente semicondutores, combinado com o agravamento da pandemia”.

Segundo a Volvo, a medida tem impacto na maior parcela dos 2 mil empregados envolvidos na produção de caminhões. “Parte do efetivo, no entanto, seguirá em atividade, incluindo a produção de ônibus.” Serviços de atendimento emergencial aos veículos da marca e distribuição de peças de reposição também permanecem sem mudanças, garante a empresa.

Do quadro de funcionários administrativos, por volta de 1,5 mil pessoas seguem em regime de home office. A Volvo tem por volta de 3,7 mil empregados em Curitiba.

A piora na crise sanitária associada ao descompasso logístico no fornecimento de peças e componentes já fez com que a Volkswagen e a Scania decidissem suspender a produção em suas fábricas no País. A primeiro do dia 26 de março com retorno em 5 de abril e, a segunda, p deor 12 dias a partir de 24 de março.

Anúncio

LEIA MAIS

→Scania decide parar após negociações com o sindicato

→Covid-19: VW paralisa todas as operações no País por 12 dias.

→Covid-19: Sindicato do ABC propõe paralisação das montadoras e autopeças.

→Anfavea: decisão de parar está a cargo de cada montadora.


Foto: Volvo/Divulgação