Diante do quadro atual, marcado pelo agravamento da pandemia e a falta de insumos no setor, a indústria automotiva até conseguiu resultados satisfatórios neste início de ano. A produção cresceu 2% no primeiro trimestre em relação ao mesmo período de 2020, com 597,8 mil unidades fabricadas, das quais 200,3 mil em março, o melhor mês do ano.

O mercado interno, no entanto, apresentou resultados frustrantes, conforme a Anfavea admite no texto com os novos dados do setor divulgado nesta quarta-feira, 7. As 527,9 mil unidades licenciadas no primeiro trimestre, incluindo veículos leves e pesados, representaram queda de 5,4% na comparação interanual e, o mais preocupante, de 23% em relação ao último trimestre do ano passado, “freando a recuperação que vinha desde a metade de 2020”.

Tradicionalmente, segundo a entidade, essa queda era de apenas 15%. E a comparação entre março deste ano e do ano passado traz ainda, de acordo com a Anfavea, um ilusório crescimento de 15,7%, visto que naquela época o mercado parou por completo em função do início da pandemia do coronavírus.

Ao divulgar os dados do setor, o presidente da Anfavea, Luiz Carlos Moraes, não poupou críticas à condução econômica e da pandemia no País. em contrapartida, destacou o escorço logístico das montadoras para atingir produção de 197 mil unidades em um mês marcado por falta de insumos e feriados antecipados pelo agravamento da pandemia.

“Muitas aproveitaram para completar unidades que estavam paradas nos pátios com alguma peça faltando”, explica o executivo. O nível de empregos diretos se manteve estável em 104,7 mil postos, considerando demissões e contratações no setor. Mas em relação a março de 2020 há uma perda de 2,3 mil perdas de vagas nas montadoras.

Anúncio

LEIA MAIS

Veículos comerciais preservam alta na produção do trimestre

Venda de veículos reage em março, mas recua no trimestre

Com Strada em primeiro lugar, Fiat consolida liderança no ano

De acordo com o balanço da Anfavea, no dia 31 de março havia 14 montadoras paradas, num total de 30 fábricas que empregam 65 mil trabalhadores. Nesta quarta-feira, 7, esses números foram reduzidos para 5 montadoras, 10 fábricas e 5,5 mil funcionários.

O quadro, contudo, ainda é crítico e a expectativa da Anfavea é de uma travessia penosa até uma aguardada melhora no segundo semestre. Dentre os pontos de preocupação, Moraes destaca a situação alarmante da pandemia no País, que para se estabilizar depende da aceleração da vacinação, o quadro político e econômico e os gargalos de produção provocados pela falta de componentes, principalmente semicondutores.


Foto: Divulgação/Fiat