Após enfrentar grandes períodos de paralisações por causa da falta de semicondutores e despencar no ranking brasileiro de venda de veículos, a General Motors anuncia a retomada do segundo turno em todas as suas fábricas brasileiras. O anúncio foi feito pelo novo presidente da empresa na América do Sul, Santiago Chamorro, em entrevista online direto de Detroit, nos Estados Unidos.

“Estou feliz de estar de volta ao Brasil”, comentou o colombiano que já esteve à frente das operações locais e foi anunciado no último dia 31 como substituto de Carlos Zarlenga, que deixou a empresa de forma repentina. “Faremos de tudo o que está ao nosso alcance para atender à demanda dos clientes Chevrolet ao mesmo tempo em que mantemos nosso foco na sustentabilidade do negócio na região”.

Sem revelar números, Chamorro garantiu que a empresa dobrará os volumes da linha Onix e do Tracker a partir do próximo mês, com o retorno dos trabalhadores que estavam em lay-off ou férias coletivas.

A fábrica de São Caetano do Sul, SP, onde é produzido o SUV, tem a volta do segundo turno marcada para a próxima segunda-feira, 27. No caso de Gravataí, RS, que teve operações paralisadas por mais de cinco meses, o segundo turno será retomado no dia 4 de outubro. A unidade de São José dos Campos, SP, onde é fabricada a picape S10, já opera em dois turnos desde o final do primeiro semestre.

Anúncio

O executivo está em processo de mudança para São Paulo, o que deve ser concretizado até novembro. Ele admitiu que os problemas com semicondutores ainda continuam, garantindo que a empresa tem avaliado formas de reduzir, dentro do possível, o uso desses componentes. Uma tarefa não muito fácil visto que os veículos dependem cada vez mais desses itens seja em relação à segurança e conectividade, como também em conforto.

LEIA MAIS

A crítica situação da rede Chevrolet e a saída de Zarlenga da GM

Zarlenga deixa GM “em busca de novas oportunidades”

Chamarro insistiu ser grande a parceria da GM com a rede Chevrolet no Brasil, admitindo as dificuldades pelas quais passaram os concessionários diante da falta de produtos da marca. Não soube revelar o tamanho da fila de espera existente hoje na rede e insistiu que antes de ter a liderança por objetivo, a empresa quer ter operações sustentáveis no mais breve tempo possível.


Foto: Divulgação/GM