Por Alzira Rodrigues

O Sindipeças reviu para cima a sua projeção de faturamento para este ano e aposta em continuidade do crescimento do setor para o próximo. Estima agora que a indústria brasileira de autopeças atingirá receita nominal de R$ 69,4 bilhões, 10% a mais do que os R$ 63,1 bilhões de 2016 e o melhor resultado desde 2014. Anteriormente projetava expansão de 4,8% para 2017.

E a retomada iniciada este ano deve ter continuidade no próximo pelas novas projeções da entidade. Para 2018 a entidade aposta em alta de 6,3%, num total de R$ 73,8 bilhões, o melhor resultado desde 2014, quando a receita ficou na faixa de R$ 80 bilhões.

O número de postos de trabalho crescerá 1,5% este ano, para 164,6 mil e mais 5% em 2018, com projetação de um quadro de 172,8 mil trabalhadores. Com relação à balança comercial, a previsão é de déficit de US$ 6 bilhões este ano e US$ 7,6 bilhões no próximo. As exportações devem atingir US$ 7 bilhões em 2017, contra os US$ 13 bilhões das importações, e em 2018 os números devem ser, respectivamente, de quase US$ 7,4 bilhões e US$ 15 bilhões.

Anúncio

Estados Unidos – No intuito de incrementar ao máximo as vendas externas de suas associadas, o Sindipeças levará quatorze fabricantes brasileiros de autopeças para a AAPEX 2017, feira mundial de reposição automotiva, que ocorre em Las Vegas, nos Estados Unidos, de 31 de outubro a 2 de novembro.

A participação de fabricantes locais no estande coletivo da entidade é coordenada pelo projeto Brasil Auto Parts-Trusted Partners, parceria do Sindipeças com a Apex-Brasil, Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos. As empresas no pavilhão brasileiro são Autolinea, DS, Duroline, Hipper Freios, Lontra, Luciflex, Mastra, Max Gear, Shana, Suporte Rei, Tecfil, Tecnomotor, Urba-Brosol e Vannucci. Outro fabricante local, a Fremax, estará em estande individual. Na edição de 2016, visitaram a mostra 16 mil compradores de 140 países.


Foto: Divulgação/Bosch