Por Alzira Rodrigues

Após ter acertado com seus funcionários programa de horas extras que envolve trabalho em onze sábados no período de novembro a abril, a Mercedes-Benz decidiu revisar para cima a meta de crescimento do mercado de veículos pesados para o próximo ano. Estima agora que as vendas de caminhões crescerão 30%, ante os 22% projetados anteriormente, com cerca de 67 mil unidades emplacadas em 2018. As de ônibus devem ampliar-se em 15%, contra os 12% estimados antes, num total de 12,6 mil unidades.

Ao divulgar a nova meta na segunda-feira, 18, o presidente da Mercedes-Benz do Brasil e CEO América Latina, Philipp Schiemer, falou de novos negócios recém-acertados, num total de 1.905 ônibus e 400 caminhões para entrega em 2018.

E garantiu que a marca fechará 2017 na liderança do mercado de pesados. A marca emplacará perto de 14,5 mil caminhões, com participação de 29% no total estimado de 51 mil a 52 mil unidades, e 6 mil ônibus, pouco mais de 50% das vendas do segmento, em torno de 11 mil unidades.

O executivo informou ainda que após perder 5 mil funcionários ao longo da crise dos últimos anos – são atualmente 7 mil em São Bernardo do Campo, SP, e 700 em Juiz de Fora, a empresa finalmente voltou a contratar. São 85 novos postos na fábrica mineira, onde é montado o caminhão Actros, que terá produção ampliada das atuais 14 unidades/dia para 18, e mais 86 aprendizes no ABC paulista.

Operando em apenas um turno mas com horas extras aos sábados, a Mercedes-Benz tem hoje uma ociosidade de 45% – no auge da crise esse índice superou os 60%. “Só daremos férias coletivas este ano porque teremos ações internas de modernização das linhas. Serão 17 dias contra os 23 do ano passado”, comentou Schiemer. A criação de um segundo turno, no entanto, ainda não está nos planos da empresa. “Vai depender do comportamento do mercado no futuro”.

Anúncio

 

mercedes accelo

 

Dentre os fatores que contribuirão para o crescimento de 30% no mercado de caminhões o executivo destacou a queda dos juros e do desemprego, uma boa safra e o fato de ser ano eleitoral, o que amplia investimentos em infraestrutura.

Também as exportações da marca estão em alta. Serão embarcados no total 14 mil veículos, dos quais cerca de 8,2 mil caminhões, o que representará crescimento de 34% sobre 2016. A montadora também exporta motores para a Alemanha e México, nesse último caso via Estados Unidos, com perspectivas de ampliação desses negócios em 2018. “Vamos começar a enviar o motor 900, Euro 5, para o México”.

Novos negócios – Quanto aos negócios internos recém-fechados, Schiemer informa que serão 1 mil ônibus para o Grupo Constantino e 905 micro-ônibus para a Secretaria de Saúde de Minas Gerais. Dos caminhões, são 100 para a Raízen, 100 para a Risa, do Nordeste, e 150 Actros para a Transportadora Transoeste.

Considerando os mercados interno e externo, a Mercedes-Benz venderá este ano cerca de 35.000 veículos. “É um resultado bem expressivo, especialmente porque a retomada do crescimento só aconteceu últimos meses do ano”, comentou Schiemer. “Ou seja, a liderança acontece num mercado extremamente competitivo, desafiando as marcas na oferta do melhor produto, o que é decisivo na hora de fechar o negócio”.

A Mercerdes-Benz anunciou em outubro investimento de R$ 2,4 bilhões no período 2018 a 2022 nas suas fábricas de caminhões e ônibus e no desenvolvimento de novos produtos e de tecnologias em serviços e conectividade.


Foto: Divulgação/Mercedes-Benz