Por Redação | autoindusria@autoindustria.com.br

A ZF encerrou o ano fiscal com recorde de vendas globais de € 36,4 bilhões, montante 3,6% superiores ao faturamento do ano anterior de € 35,2 bilhões. O crescimento dos negócios também trouxe aumento de lucratividade para a empresa. O lucro verificado antes de taxas de juros foi de € 2,3 bilhões, contra € 2,2 bilhões registrados em 2016.

“Esse resultado mostra o comprometimento dos nossos colaboradores e um elevado grau de motivação”, resumiu o recém-nomeado CEO Wolf-Henning Scheider durante apresentação dos resultados financeiros da companhia na quarta-feira, 22 de março, em Friedrichshafen, Alemanha.

Em comunicado a empresa revela investiu no ano passado € 2,2 bilhões em pesquisa de desenvolvimento, 15% a mais quando em relação a 2016. Para o exercício de 2018, Scheider, não divulga a quantia exata, mas garante que alocará mais uma vez recurso superior a R$ 2 bilhões na área. O planejamento é de separar 6,5% do orçamento – em 2017 foi de 6,1% – para aplicar em sistemas de acionamento elétrico e a hidridização da tecnologia de transmissões, sistema de segurança e condução automatizada.

Anúncio

Leia mais

→Conselho da ZF nomeia novo CEO

→ZF e Chery juntas pela direção autônoma

A estratégia também é de continuar investindo em propriedades, fábricas e equipamentos, atividade que somou € 1,4 bilhão no ano passado. A empresa adianta que estão planejadas duas novas fábricas para a produção de componentes para sistemas de acionamento elétrico.

“O mundo da mobilidade está girando em alta velocidade”, observa em nota Scheider. “Pretendemos fornecer aos nossos clientes soluções pioneiras em todos os campos, com o nosso mote Ver – Pensar – Agir, e por isso aumentaremos o nosso investimento em pesquisa e desenvolvimento.”

Para 2018, a empresa estima apurar outro crescimento em torno de 5% nas vendas, apesar de considerar a economia volátil em todo o mundo e da previsível redução dos negócios ao concluir a venda de sua divisão de Sistemas de Controle de Carrocerias para a Luxshare.


Foto: ZF/Divulgação