Por Redação | autoindustria@autoindustria.com.br

A General Motors não tem do que reclamar do mercado brasileiro nos últimos anos. Além de liderar com folga em 2016 e 2017,  fechou o primeiro bimestre de 2018 com 18,7% de participação, quatro pontos porcentuais a mais do que a segunda colocada, a Volkswagen.

A montadora alemã, porém, afirma publicamente que pretende voltar ao topo e, de fato, vem crescendo acima da média do mercado nos últimos meses. Já ganhou mais de dois pontos porcentuais este ano: fechou 2017 com 12,5% de participação e agora contabiliza 14,7%.

A ascensão da General Motors ao topo das vendas de automóveis e comerciais leves no Brasil em 2016 — após 13 anos de liderança da Fiat —está diretamente ligada ao sucesso do Chevrolet Onix, modelo mais vendido no País há três anos, mas que, daqui para frente, naturalmente terá que enfrentar o peso da idade e, sobretudo, a chegada de vários novos concorrentes.

Sozinho, o Onix respondeu por 188,7 mil unidades, cerca de 48% dos mais de 394 mil veículos que a GM vendeu no ano passado. Somado ainda o desempenho do Prisma, sua versão sedã, a família Onix atingiu 257,6 mil veículos emplacados, 65% do total da GM.

Mexer com tamanha depedência merece movimentos bem estudados e muito antecipados. Não por outro motivo a empresa se esforça para preparar terreno para a segunda geração dos seus modelos mais populares e que devem adotar uma nova platafaforma global a partir do ano que vem, quando o Onix já estará em seu sétimo ano de produção.

Leia mais

→GM inicia terceiro turno em Gravataí

Anúncio

→”Marca Onix” pode colocar em risco a liderança da GM

→GM aumenta capacidade de motores em Joinville

O novo projeto, ainda em segredo, e as crescentes demandas dos consumidores por mais segurança e qualidade forçaram a GM a promover fortes intervenções nas fábricas de veículos de São Caetano do Sul (SP), Gravataí (RS) e na de motores de Joinville (SC) no último mês.

A produção ficou paralisada por cinco semanas para, segundo a GM, ampliação e modernização das instalações e linhas de montagem. “Representam [as obras] primeira fase do processo de adequação para receber, no futuro, uma nova família de veículos”, afirma em nota oficial a empresa, que, procurada, não informa quais são agora as capacidades produtivas das duas plantas de veículos.

As unidades industriais, que retomaram a produção nesta segunda-feira, 26, incorporaram conceitos de manufatura 4.0 e para isso,  informa a GM, “receberam prensas de última geração, solda a laser, novo sistema de montagem de motor e transmissão, novas injetoras plásticas, novo processo de funilaria e novo transportador de veículo na linha de montagem”.

Os recursos  integram o plano de investimentos divilgado pela montadora para o período de 2014 a 2020 e que envolve R$ 13 bilhões.

Os movimentos da GM visam evitar o natural vale que há nas vendas quando os veículos se aproximam de seu fim de ciclo de vida. E no caso brasileiro, são ainda mais oportunos.

Afinal, a montadora teve a sorte de renovar toda a sua linha de veículos antes da crise do mercado interno a partir de 2015 e, por conta disso, disputou a preferência dos exíguos clientes com produtos novos, enquanto as principais concorrentes, Volkswagen e Fiat, remavam com veículos envelhecidos.

A situação agora é inversa: os produtos Chevrolet já são pra lá de conhecidos e as adversárias acabam de lançar, e providenciam outros, veículos que atacam exatamente Onix e Prisma, os atuais dois grandes pilares da GM no Brasil.


Fotos: Divulgação/GM