Por Redação | autoindustria@autoindustria.com.br

Levantamento consolidado pela Anip, associação que representa a indústria de pneus no País, no primeiro semestre do ano as vendas totais de pneus somaram 28,9 milhões de unidades, volume 2,3% superior ao apurado no mesmo período do ano passado, de 28,2 milhões de pneus.

Apesar do avanço, o presidente executivo da Anip, Klaus Curt Müller, avalia que o desempenho do segmento poderia ter sido melhor frente os fortes resultados de vendas obtidos nos primeiros meses do ano. “Sentimos o impacto da paralisação em maio (greve dos caminhoneiros) e da Copa do Mundo, que afetaram o funcionamento das linhas de produção e as vendas no varejo.”

O desempenho no mercado de reposição foi um dos que mais contribuíram com um resultado menor que o esperado. De janeiro a junho, as entregas para o segmento somaram 21,2 milhões de pneus, o que representou uma queda de 4,6% em relação aos 22,3 milhões de unidades vendidas um ano antes. De acordo com a entidade, o recuo se deve aos declínios nas vendas de pneus para veículos comerciais leves, de 14,2%, e de 8,5% para automóveis durante o período.

Anúncio

LEIA MAIS

→Pneus agora só com etiqueta

Pesou de maneira de maneira positiva, os negócios com as montadoras, reflexo do aquecimento da produção de veículos. No acumulado até junho, as fabricantes absorveram 7,6 milhões de pneus, alta de 28,3% sobre as 5,9 milhões de unidades apuradas no primeiro semestre de 2017.

No resultado, a produção de caminhões contribui com alta de 79,9% nas vendas, para 678.182 pneus contra 376.889 vendidos no ano passado, e a de automóveis, 24,7%, para 4,9 milhões de unidades ante 4 milhões anotadas há um ano.


Foto: Vipal/Divulgação