Ao completar quatro anos desde a inauguração da fábrica de Jacareí (SP), a Chery, agora Caoa Chery, registrou pela primeira vez volume de vendas acima das 1 mil unidades mensais.

Conforme mostra os dados estatísticos da Abeifa, no mês passado, os licenciamentos dos modelos da marca somaram 1.054 veículos dentre importados e de produção nacional, o que representou crescimentos de 45% em relação a julho, com 727 unidades, e de 121% na comparação com o agosto de 2017, quando os emplacamentos chegaram a 475 unidades.

Nos oito primeiros meses do ano, a fabricante acumula 4.047 veículos negociados, alta de 83% na comparação com a soma das vendas do mesmo período do ano passado de 2.211 unidades.

A companhia atribui o avanço no desempenho à boa aceitação do consumidor pelo utilitário esportivo Tiggo 2, o mais recente lançamento da empresa, além do fortalecimento da marca no mercado de automóveis do País após a Caoa adquirir 50% da operação brasileira da fabricante chinesa, em novembro de 2017.

LEIA MAIS

→Tiggo 2, o primeiro Caoa Chery

Anúncio

→Caoa Chery inicia a produção do Arrizo em outubro

→Caoa Chery: a nova marca brasileira de veículos.

“Estamos investindo fortemente em nossos produtos e na rede de atendimento ao cliente”, afirma em nota Marcio Alfonso, CEO da Caoa Chery.  “Nosso plano de expansão das concessionárias contempla um total de 60 lojas, atuando até o fim do ano, o que deve gerar uma demanda ainda maior dos nossos veículos.”

A fábrica da companhia do Vale do Paraíba, com capacidade para 50 mil unidades/ano, atualmente é responsável pela produção dos modelos New QQ e Tiggo 2. A empresa, no entanto, já revelou o início da produção do sedã Arrizo 5 em Jacareí em outubro, como também a localização do Tiggo 4 e do Tiggo 7 na unidade fabril da empresa em Anápolis (GO).


Foto: Caoa chery/Divulgação