Ao comemorar 60 anos de Brasil, a  ZF anuncia importantes investimentos em nacionalização de componentes. Já estão em linha as transmissões automatizadas modular Traxon e EcoTronic para veículos pesados e no segmento dos leves a empresa negocia com montadoras locais a introdução no segmento B de novos sistemas de câmeras e do Front-EPB, Electric Park Brake ou freio de estacionamento elétrico dianteiro.

Com relação às novas transmissões, já há contratos fechados com fabricantes locais de veículos pesados e “até o final do ano o produto Made in Brazil  estará no mercado”, revela Silvio Furtado, diretor de vendas de veículos comerciais da ZF América do Sul.

No caso das câmeras e do Front-EPB, a ZF está “batendo nas portas das montadoras”, como diz Wilson Rocha, diretor de vendas de veículos leves, ao revelar o interesse da empresa de disseminar esses componentes nos automóveis brasileiros do segmento B.

“Estamos testando as câmeras o o Front-EPB em um automóvel do segmento B e levando aos clientes para mostrar suas vantagens”, explica Rocha. A intenção da ZF é a de nacionalizar esses componentes no médio prazo. “Tudo dependerá do retorno das montadoras e do volume projetado. Inicialmente poderemos importá-los para em uma segunda fase produzir localmente”.

O presidente da ZF América do Sul, Wilson Brício, explica que os componentes já nacionalizados e os que estão em teste no Brasil enquadram-se no conceito On the Road to Vision Zero, que visa reduzir acidentes, emissões e consumo de combustível.

Sem especificar números, Brício revelou  que a ZF terá crescimento de dois dígitos este ano na região. Em 2017, a receita atingiu R$ 3,9 bilhões na América do Sul, valor 28% superior ao do ano anterior.

LEIA MAIScheegou 

ZF: eletrificação e direção autônoma na logística.

ZF terá nova transmissão automática para veículos comerciais

Anúncio

ZF engata várias marchas na América do Sul

Segundo o diretor de vendas de veículos leves, o sistema de câmera que a ZF quer introduzir no mercado brasileiro é instalado na frente do carro, mas pega toda a sua lateral. “São várias as suas funções, incluindo detectar animais. Utilizado em veículos mais caros, acreditamos que esse sistema tem espaço no segmento B e, por isso, decidimos mostrar suas vantagens às montadoras aqui instaladas”.

Quanto ao EPB, Rocha comenta que os veículos Jeep produzidos em Goiana, PE, e o Honda HR-V já oferecem ele como opcional no freio traseiro. “Se utilizado no dianteiro, o conforto para os usuários do veículo é maior”.

A ZF promoveu na segunda-feira, 8, evento de comemoração dos 60 anos da empresa no Brasil, quando destacou a importância da América do Sul nas operações globais da companhia.

“Somos uma empresa que oferece soluções globais de mobilidade sustentável e a operação da ZF no Brasil está inserida neste contexto também como uma grande protagonista”, comentou Wilson Bricio. “Com mais de um século de história no mundo e 60 anos de operação no Brasil, a ZF é uma empresa que sempre esteve à frente de seu tempo, oferecendo soluções para a mobilidade de hoje e amanhã”.

Segundo revelou o executivo na ocasião, a ZF investiu globalmente € 2,2 bilhões em pesquisa e desenvolvimento no ano passado, um aumento de quase 15% quando comparado com 2016. “Para este ano cerca de € 2 bilhões serão destinados ao trabalho de desenvolvimento em todo o mundo, o que significa que a parcela do orçamento alocada em P&D aumentará de 6,1% para quase 6,5%, neste ano”.


Foto: Divulgação/ZF