A demanda crescente por modelos com mais mais de 4 anos de uso tem compensado este ano a acentuada queda na venda de seminovos, aqueles com até 3 anos. O resultado desses dois movimentos é um mercado de usados praticamente estável, com 12,99 milhões de unidades comercializadas de janeiro a novembro contra as 12,88 milhões no mesmo período de 2017, ou seja, uma alta inexpressiva de 0,9%.

Os dados foram divulgados nesta quarta-feira, 5, pela Fenauto, Federação Nacional das Associações dos Revendedores de Veículos Automotores. O estudo contempla carros, comerciais leves, pesados e motos, com segmentação apenas por tempo de uso. No caso dos seminovos, as vendas limitaram-se a 2,22 milhões de unidades este ano, ante total de 4,81 milhões nos primeiros onze meses de 2017. Uma expressiva queda de 53,7%.

Já a demanda por modelos com 4 anos de uso ou mais teve alta de 33,4%. Foram 10,76 milhões de unidades vendidas até novembro contra 8 milhões no mesmo período do ano passado. Dentre os segmentos pesquisados, o que mais cresceu foi o dos veículos com 9 a 12 anos de uso, chamados pela Fenauto de usados maduros. Nesse caso a expansão foi de 52,5%, com 2,49 milhões de unidades vendidas este ano ante o total de 1,63 milhões do mesmo período de 2017.

LEIA MAIS

Anúncio

No mercado de usados, veículos pesados têm desempenho melhor

Mercado de seminovos em queda livre

100 carros seminovos por R$ 30 mil

De acordo com a Fenauto, a retração no mercado de seminovos este ano deve-se em grande parte ao comportamento do mercado de novos no período de 2014 a 2016. Como as vendas de zero-quilômetro despencaram naquele período, a oferta de seminovos atualmente é proporcionalmente baixa. Também naquele período o movimento do mercado era o inverso de hoje. Enquanto a procura por novos despencava, a pelos seminovos crescia em índice acima dos demais veículos usados.

A entidade também divulgou os número de novembro, que em todos os casos indicam queda com relação a outubro, o que é atribuído ao menor número de dias úteis no mês passado. As vendas de usados caíram 11,5% nesse comparativo, com total de 1,15 milhão de unidades comercializadas no mês passado contra 1,29 milhões no anterior.