Atenta aos novos tempos da indústria 4.0, a Siemens PLM decidiu criar uma nova área de negócios em sua operações  no Brasil com foco no setor automotivo. A retomada econômica e mais indícios de estabilidade na indústria nacional, assim como a sanção do Programa Rota 2030, foram decisivos, segundo a empresa, para a tomada dessa decisão.

Há 13 anos na Siemens, Rogério Albuquerque assume o novo cargo de diretor de vendas para os setores automotivo, bens de consumo e varejo. O executivo já vem trabalhando no sentido de ajudar líderes de negócios a conduzir com segurança e rapidez a digitalização, que transforma dados em informações de valor para os negócios de seus clientes.

O objetivo da nova área é justamente o de conduzir e auxiliar a indústria automobilística nacional na jornada da digitalização, indústria 4.0 e Rota 2030, dando mais vazão às iniciativas e aos projetos na área.

“As soluções da Siemens são usadas por 29 das trinta principais empresas do setor automotivo do mundo”, comenta Allyson Faria, diretor de marketing para a América Latina da Siemens PLM. “Como diretor de vendas, Rogério Albuquerque terá como principais desafios prover suporte e visão estratégica para que todo o segmento automotivo brasileiro seja mais eficiente e mais digitalizado. Seu novo desafio será focado na indústria automotiva e CPG para garantir o sucesso na jornada da transformação digital no Brasil”.

LEIA MAIS

Rota 2030 é sancionado pelo presidente da República

Anúncio

Ações da Siemens rumo à Indústria 4.0

Simea concentra debates no carro autônomo

“O Rota 2030 acendeu a luz para o futuro do setor”

Com sede em Plano, Texas, a Siemens PLM Software, uma unidade de negócios da Siemens Digital Factory Division, é uma das principais fornecedoras mundiais de soluções de software para impulsionar a transformação digital da indústria, criando novas oportunidades para que os fabricantes percebam a inovação.

Sobre as perspectivas para 2019, Faria diz que, em um cenário macro, a Siemens está aguardando a formação do novo governo para ter melhor direcionamento da expectativa geral da economia para aceleração do crescimento, com a geração de empregos e do mercado de consumo no ano que vem. Entretanto, para o mercado industrial e de infraestrutura, a empresa está bastante otimista.

“O empresariado brasileiro já entendeu a necessidade de investimento em soluções de digitalização e da indústria 4.0 e que isso se trata, além de produção local, plataforma de competitividade entre seus pares mundiais”, avalia Faria. “O ciclo de investimento na indústria, sobretudo nas verticais de óleo e gás, deve acelerar ao longo de 2019 devido à maturação dos investimentos nesse setor, à retomada de crescimento do segmento automotivo e à demanda crescente do exterior”.

Ainda sobre as previsões de negócios para o próximo ano, em decorrência da aquisição da norte-americana Mentor Graphics pelo valor de US$ 4,5 bilhões em 2017, a Siemens já ampliou a sua capacidade de produção de software e reforçou o compromisso do mercado de IC (circuito integrado) mundialmente. “Hoje no Brasil vemos um potencial para estes tipos de soluções, uma vez que temos cinco grandes polos de manufatura que podem usufruir das soluções”, conclui Faria.


 

Foto: Divulgação/Siemens