Após ter registrado retração em setembro no comparativo com agosto, a indústria de autopeças voltou a reagir em outubro, crescendo 9.1% frente ao mês anterior. Com isso a capacidade ociosa do setor baixou de 33% para 32%, conforme dados da pesquisa conjuntural divulgada nesta segunda-feira, 17, pelo Sindipeças.

Segundo a entidade, a recuperação tem sido consistente e reflete aumento da oferta de crédito e a reposição de ativos, principalmente no caso dos veículos pesados, além de inflação e juros controlados. No acumulado até outubro o setor segue com crescimento de dois dígitos, consolidando expansão de 19,2% em relação ao mesmo período de 2017.

Se forem comparados os últimos doze meses com o mesmo intervalo anterior, o crescimento chega a 19,9%, o que sinaliza alta no ano na faixa de 20%. Os segmentos de negócios que mais crescem são os relativos às montadoras e às exportações.

As vendas de autopeças para os fabricantes de veículos tiveram alta de 19,5% nos primeiros dez meses do ano em relação à idêntico período de 2017 e de 20,8% se a base for o acumulado de doze meses.

Anúncio

No caso das exportações, verifica-se alta até outubro de 14,4% em dólar e de 27,4% em real. As vendas para o mercado de reposição expandiram-se em 8,8% e as relativas aos negócios intrassetoriais tiveram evolução de 14,1%.

LEIA MAIS

Exportações de autopeças para a Argentina caem 4,2% no ano

Déficit das autopeças cresce 17% este ano

No comparativo de outubro com setembro, só o mercado de reposição não registrou expansão. Nesse caso, a queda de receita foi de 2,2%. Todos os outros segmentos, no entanto, reagiram positivamente. As vendas para as montadoras ampliaram-se em 13.9%, as exportações em dólar subiram 11,5% e os negócios intrassetoriais tiveram alta de 10,9%.


Foto: Divulgação/Meritor