Dirigentes do Sindicato dos Metalúrigos de São José dos Campos e região participam nesta sexta-feira, 1, de encontro promovido pelo Movimento Brasil Metalúrgico, que pretende reunir várias entidades sindicais para discutir sobre os planos da General Motors de retirar direitos dos trabalhadores como condição para permanecer no País.

A reunião, que visa propor ações conjuntas em defesa dos empregos e direitos na montadora e em todo setor automotivo. será na sede do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo. O Movimento Brasil Metalúrgico reúne sindicatos, federações, confederações e centrais sindicais de todo país.

Para os trabalhadores de São José dos Campos, conforme lembra o sindicato, a GM apresentou uma proposta com 28 pontos de redução de direitos, como aumento da jornada de trabalho, banco de horas e terceirização da produção.

LEIA MAIS

GM quer redução do piso salarial também em Gravataí

Anúncio

GM quer piso salarial menor e terceirização em São José dos Campos

Trabalhadores repudiam ameaça da GM

Uma outra pauta foi apresentada na unidade de São Caetano do Sul, no ABC paulista, com 22 itens, incluindo a proposta de redução do piso salarial dos novos funcionários, de R$ 1.780 para R$ 1.600, já rejeitada pelo sindicato dos metalúrgicos local e também o de Gravataí, RS.

A proposta, segundo comunicado do Sindicato de São José dos Campos, faz parte do plano de reestruturação global da empresa, “que pretende fechar sete plantas em todo mundo e rebaixar as condições de trabalho”. A entidade destaca que Se esse plano for concretizado, haverá reflexo em toda cadeia automotiva.


Foto: Divulgação/GM