Fruto de um investimento de R$ 70 milhões, dos quais R$ 30 milhões já aplicados, o novo centro de fabricação de componentes e subconjuntos metálicos da Marcopolo em Ana Rech, Caxias do Sul, RS, já está em operação, com quadro inicial de 180 colaboradores.

“A fábrica é extremamente segura e atende os princípios Lean, com foco na eliminação de desperdícios, padrões de eficiência e qualidade ainda mais elevados, tanto para atender os clientes internos como os externos”, destaca Júlio Igansi, gerente de engenharia de processo da Marcopolo.

Com o novo centro, a montagem de componentes e subconjuntos metálicos que compõem as carrocerias dos ônibus, antes excutada em diferentes sites, passa a ser realizada em um único local. Seus principais diferenciais, segundo Iganzi, são a unificação e racionalização de recursos, o fluxo contínuo de produção e logística e a gestão visual de todo o processo produtivo.

LEIA MAIS

Marcopolo embarca 150 ônibus para o Chile

Marcopolo entrega 500 ônibus para a Asperbras, em Angola

Ônibus de São Paulo começam a adotar transmissão automática

Na nova planta, com 19,6 mil m² de área construída, estão sendo realizadas as operações de cortes robotrizados, a laser e com serras automatizadas de tubos. Toda a operação é regulada pelo departamento logístico de expedição no final do processo e existe um “supermercado” intermediário para regular e estabilizar a produção, além de preparar os kits de componentes para a célula de montagem.

Anúncio

De acordo com Lusuir Grochot, diretor de operações industriais, o projeto atende a produção iniciada a partir da demanda do cliente (produção puxada), com tempo takt definido, menor estoque de matéria-prima e componentes em processamento, menor movimentação de materiais e pessoas e menor necessidade de transporte.

“Tudo para ser o mais eficiente, seguro e produtivo possível”, explica Lusuir.

O centro de fabricação, que teve início de construção em novembro de 2017, traz novos conceitos de produção, dentre os quais a renovação natural de ar por convecção (bem-estar térmico para os colaboradores), telhado e revestimento lateral com isolamento térmico, toda a iluminação por LED com dimerização (regulagem automática da luminosidade) e infraestrutura preparada para receber equipamentos com tecnologias da indústria 4.0.


Foto: Divulgação/Marcopolo