Após registrar baixas nas vendas globais de veículos e redução do lucro no primeiro semestre, o Grupo Renault reviu para baixo suas projeções de faturamento em 2019.

As receitas acumuladas atingiram € 28 bilhões de janeiro a junho, 6,4% abaixo na comparação anual, e o lucro líquido, sem a contribuição da Nissan, superou pouca coisa € 1 bilhão, quase a metade do apurado nos primeiros seis meses de 2018.

“Dada a degradação na demanda, o grupo agora espera que as receitas de 2019 sejam próximas às do ano passado”, afirmou em nota a montadora, revendo a perspectiva anteriora de aumentar o faturamento. Em 2018, a empresa que congrega as marcas Renault, Dacia, Lada, Renault Samsung e Alpine, faturou € 57,5 bilhões, 2,3% menos do que em 2017.

A empresa vendeu 1,94 milhão de unidades nos primeiros seis meses do ano, 6,7% a menos do que em igual período do ano passado. Ainda assim, o recuo foi inferior ao da média do mercado mundial, estimado em 7,1%.

Anúncio

Com exceção da Europa, onde negociou 1,07 milhão de unidades e se manteve estável, o grupo francês  mostrou quedas expressivas de 27,7% na África, Oriente Médio e Índia (219 mil) e de 23,9% na China (89,7 mil).

O menor recuo no semestre foi na região Américas: apenas 3,9%, para 205,7 mil veículos, com destaque para as crescentes vendas no mercado brasileiro, de cerca de 113 mil unidades, e que garantiram 9% de participação.

LEIA MAIS

→ Renault renova Sandero, Logan e Stepway

→ Estável na Europa, Grupo Renault tem queda mundial de 6,7%


Foto: Divulgação/Renault