Ainda não se sabe exatamente quando o carro autônomo dominará as ruas em todo o mundo. Certo é que os investimentos nessa área predominam hoje no setor automotivo e sistemas semiautônomos já estão presentes em modelos que rodam em nossas ruas, melhorando principalmente a segurança veicular.

São novidades em softwares e equipamentos, que em geral passam por câmeras, radares e sensores usados na navegação. Nesse sentido, a Ford investiu no desenvolvimento de um sistema anti-inseto, que que visa justamente à proteção desses componentes.

“Os sensores dos carros autônomos trabalham constantemente para oferecer a melhor imagem possível do mundo e um inseto pode afetar seriamente essa capacidade”, explica Venky Krishnan, supervisor do Núcleo de Sistemas de Veículos Autônomos da Ford nos EUA. “Por isso, dedicamos uma quantidade inacreditável de tempo para pensar sobre essas criaturas no desenvolvimento dos veículos autônomos”.

LEIA MAIS

Veículos totalmente autônomos podem ser inviáveis

Brasil é o país menos preparado para veículos autônomos, diz KPMG

Consumidor europeu aceita autonômos, mas tem medo da tecnologia

Anúncio

Segundo a montadora, as diferentes pesquisas tiveram por objetivo garantir que os veículos autônomos sejam capazes de “ver” o mundo ao redor em diferentes cenários. Os testes incluíram desde pulverizar sujeira e poeira nos sensores e jatos de água para simular chuva até a criação de excremento sintético de aves para estudar seu efeito nas lentes. Foi construído inclusive um lançador de insetos para fotografar o seu impacto nos sensores em alta velocidade e desenvolver estratégias de limpeza.

Como resultado desses estudos, a Ford já registrou cerca de 50 patentes de sistemas estruturais e de limpeza de carros autônomos. Entre as soluções, foi criado um sistema para desviar a maioria dos insetos dos sensores. Mas a Ford decidiu ir além e desenvolveu um sistema de limpeza de última geração, com bicos que borrifam fluido para lavar cada lente.

“Usando algoritmos avançados, o veículo autônomo consegue identificar quando um sensor está sujo e limpa cada lente individualmente sem desperdiçar fluido”, esclarece a empresa. “Depois da lavagem, um sopro de ar seca a lente rapidamente”.

Esse sistema já equipa a terceira geração de veículos autônomos de teste da Ford, que hoje roda nas ruas de Detroit, Pittsburgh, Miami e Washington D.C., nos Estados Unidos, em diferentes ambientes.


Foto: Divulgação/Ford