Com base nos resultados obtidos no acumulado até setembro, a Fenabrave reviu para cima a meta de vendas de caminhões este ano no Brasil. Ante projeção inicial de alta de 15,4%, índice que já havia sido revisado em julho para 17,8%, a entidade aposta agora em expansão de 33,8%, o que representará a venda de 102.280 caminhões.

Até setembro já foram emplacadas 74,7 mil unidades, volume próximo ao do ano passado inteiro (76 mil). O crescimento no acumulado do ano chega a 40,6% considerando os 53,1 mil licenciamentos do mesmo período de 2018.

Com 9,3 mil emplacamentos, houve queda de vendas em setembro com relação a agosto, que teve um dia útil a mais, mas o segmento registrou crescimento de expressivos 38,8% sobre o mesmo mês de 2018, quando foram vendidas 6,7 mil unidades.

Os números foram divulgados nesta quarta-feira, 2, pela Fenabrave, que ampliou a meta no caso dos caminhões, mas manteve a projeção para o segmento de automóveis e comerciais leves, que deve crescer 8%, para 2,67 milhões de unidades.

Segundo o diretor responsável pela área de caminhões na Fenabrave, Sérgio Zonta, o agronegócio continua puxando as vendas do segmento, principalmente dos pesados e extrapesados, mas outros setores econômicos começam a a reagir. “Há sinais positivos na construção civil, papel e celulose e também na renovação de frota dos transportadores de menor porte”.

LEIA MAIS

Scania abre vendas de caminhões a gás

Anúncio

Vendas de implementos avançam 40% no ano

Caminhões pesados preservam a alta na produção

Além disso, Zonta diz que o mercado de caminhões semileves, de 3 a 6 toneladas, também começa a apresentar reação, principalmente pelas restrições impostas por legislações urbanas quanto à  circulação de veículos de maior porte.

A maior oferta de crédito e a queda da taxa de inadimplência, que hoje está em apenas 0,95% no caso das pessoas jurídicas, são também fatores decisivos para a manutenção do aquecimento das vendas de caminhões no mercado brasileiro.

“Tanto as instituições privadas como os bancos das montadoras estão oferecendo planos de CDC, crédito direto ao consumidor, com juros baixos, bem atraentes. Tanto é que essa modalidade já está respondendo por 70% das vendas de caminhões, enquanto a demanda pelo Finame continua caindo a cada dia”.

No embalo  do bom desempenho do mercado de caminhões, também as vendas de implementos rodoviários estão em níveis acima dos esperados para este ano. Nesse caso, a Fenabrave começou 2019 projetando alta de 8,8%, índice agora revisto para 42,7%, o que representará a venda de 63,8 mil implementos este ano, ante as 44,7 mil comercializadas em 2018.