Linda Jackson, CEO global da Citroën, adiantou: o C4 Cactus europeu ganhará versão totalmente elétrica já no ano que vem, quando o modelo passará por sua primeira atualização. O Cactus, assim, entrará para a história como o primeiro carro elétrico de alto volume da marca francesa.

O novo C4 Cactus utilizará versão estendida da plataforma CMP, que pode acomodar combustão interna e transmissões elétricas e que é compartilhada pelos Peugeot 208  e 2008  e pelo Opel Corsa europeus.

A fabricante já revelou há tempos que trabalha para ter toda a sua linha de produtos com ao menos uma versão híbrida ou elétrica, a depender da plataforma, até 2025. Os veículos lançados a partir de 2020 já obedecerão essa estratégia. Jackson, porém, reiterou a continuidade da oferta de motores a gasolina e diesel enquanto houver demanda por eles.

O Cactus é o mais recente e o principal modelo da Citroën no Brasil. Lançado em agosto do ano passado, já responde pela maioria dos licenciamentos da marca no mercado interno. De janeiro a outubro, somou 13,4 mil unidades emplacadas, 60% dos 22,3 mil veículos Citroën que chegaram às ruas no período.

Graças a ele, a marca viu suas vendas crescerem quase 40% no ano. A participação também passou de 0,8% para pouco mais de 1% nos últgmos doze meses.

Anúncio

O C3, o segundo Citroën mais vendido, vem bem atrás, com 2,6 mil unidades no acumulado dos dez primeiros meses, e perdendo a preferência dos consumidores mês após mês. Em outubro, foram licenciadas somente 142 unidades do compacto e outras 153 em setembro.

LEIA MAIS

→ Citroën mostra C5 Aircross Hybrid na Europa

→ Arnaud Ribault é o vice-presidente de Vendas e Marketing da PSA na AL

Em 2018, o modelo de entrada da Citroën somou quase 6,4 mil emplacamentos. Se mantiver no último bimestre a média mensal que registrou em dez meses, encerrará 2019 com queda superior a 50%.

Lançado em 2003, o C3 é apenas o 12º e último colocado do segmento de hatches pequenos elaborado pela Fenabrave com base nos licenciamentos. Ganhou uma segunda geração em 2012 e pequenas atualizações desde então, mas uma terceira geração, ou outro modelo para substituí-lo no Brasil, não deve ser apresentada antes de 2021.


Foto: Divulgação/Citroën