Após apresentar as novas versões do Equinox com motor turbo 1.5, que chegam ao mercado em janeiro, a General Motors promete mais sete lançamentos para 2020, parte da programação de 30 novidades para o período 2019-2023, das quais 11 foram apresentadas este ano.

Na noite de quinta-feira, 5, quando mostrou os novos modelos da linha Equinox, o presidente da GM América do Sul, Carlos Zarlenga, não revelou detalhes sobre o que virá daqui para frente, mas garantiu que um dos novos modelos a ser produzido no Brasil a partir do próximo ano será exportado para o México.

“Por enquanto mandamos baixo volume para aquele mercado, mas isso mudará a partir de um dos novos produtos programados para 2020”, comentou o executivo, lembrando que hoje os principais mercados da empresa são Argentina, Peru, Chile, Colômbia e Equador.

A montadora está definindo 2020 como “o ano dos SUVs”, o que sinaliza ao menos parte dos lançamentos programados pela empresa, uma vez que atualmente não há produção local desse tipo de veículo. Líder de mercado há 50 meses consecutivos, a General Motors apresentou neste segundo semestre a nova geração do Onix (foto acima) o principal lançamento da marca este ano.

LEIA MAIS

GM segue com prejuízo por causa do câmbio

Chevrolet Equinox ganha versões com motor 1.5 turbo

Anúncio

GM lança nova geração do Onix sem alterar preços

De acordo com Zarlenga, o último trimestre está sendo muito bom para a montadora em função da chegada do novo Onix ao mercado. Considerando as vendas totais de veículos no País, incluindo leves e pesados, a marca encerrará o ano com participação na faixa de 17,1% a 17,2%, um pouco acima dos 16,9% do ano passado, o que significa que ampliou seus negócios um pouco acima da média do mercado.

O executivo projeta crescimento na faixa de 6% em 2020, para um mercado total de 3.050.000 veículos. Dentre os fatores positivos ele cita a nova projeção de aumento do PIB, na faixa de 2% a 2,5%, a inflação controlada e, principalmente, os indicativos da volta de confiança do consumidor.

Na sua avaliação, o ano que vem será marcado pelo maior crescimento das vendas do varejo, o contrário do que ocorre agora em 2019. “Acreditamos que o movimentos nas concessionárias será maior, com a possibilidade de cair a participação das vendas diretas, que este ano ultrapassa a casa dos 45%”.


Foto: Divulgação/GM