Opior dos reflexos da queda do mercado de automóveis por connta da pandemia da Covid-19 começa a ser identificada no setor automotivo. Apenas dois dias antes de encerrar a longa paralisação em Resende, RJ, sua única fábrica brasileira, a Nissan a Nissan demitiu 398 funcionários nesta segunda-feira (22).

A montadora alegou, em nota, que “vem buscando adequar o seu negócio à nova situação do mercado automotivo no Brasil em decorrência dos reflexos da pandemia de Covid-19 e, em função da manutenção do cenário atual de forte retração”. A retomada em Resende seria em apenas um turno

A planta aberta em 2014 é base produtora do já veterano compacto March, do Versa e o Kicks, um dos utilitários esportivos mais vendidos no mercado interno, e conta com cerca de 2,5 mil trabalhadores.

As atividades estavam interrompidas há cerca de três meses, sendo um mês de um deférias coletivas e dois no regime de suspensão de contrato. A empresa pagará todos os direitos, inclusive dois salários adicionais  já que aderiu à MP 936.

Anúncio

A produção brasileira de veículos somou 631 mil unidades  de janeiro a maio, 49% a menos do que em igual período do ano passado.

A Nissan vendeu 24,9 mil veículos no mercado interno no período, equivalentes a 3,9%. É apenas a décima marca mais negociada. O  March, seu modelo mais barato,  vendeu somente 1,7 unidades contra 54 mil do Chevrolet Onix, líder entre os hatches pequenos. No ano passado, o modelo somou  só 6,9 mil unidades.

LEIA MAIS

→ Toyota, Ford, Nissan e PSA retomam produção

→ Produção cai pela metade, com perda de 610 mil veículos no ano


Foto: Divulgação