Balanço do setor de pneus consolidado pela Anip, associação que representa as fabricantes, apontou queda 31,1% nas vendas de junho, com 3,4 milhões de unidades ante 4,9 milhões registradas no mesmo mês do ano passado. Contra maio, houve um avanço de 35,6%

O maior impacto no desempenho foi influenciado pelo baixo fornecimento à indústria de veículos. No mês passado, as fabricantes entregaram somente 595,5 mil pneus, volume 56,7% inferior ao que foi entregue em junho de 2019, quando as montadoras absorveram 1,3 milhão de unidades.

Apesar apresentar resultado negativo, as vendas no mercado de reposição se mostraram menos impactados do que as operações com peças originais. Em junho, foram negociados 2,8 milhões de pneus para as distribuidoras, volume que representa recuo de 21,4% em relação ao que foi entregue no mesmo mês de 2019 (3,6 milhões)

No acumulado do ano até junho, as vendas totalizam 20,5 milhões, declínio de 29% relação aos mesmos seis meses do ano passado, quando anotou 29,1 milhões de unidades vendidas.

Anúncio

“Os dados mostram que ainda estamos distantes em relação ao desempenho apresentado pelo setor em 2019”, admite em nota Klaus Curt Müller, presidente executivo da Anip. “A recuperação ainda é um desafio e a atividade das montadoras continua sendo um fator importante.”

A balança comercial do setor encerrou o primeiro semestre com superávit de US$ 81,2 milhões, apesar dos declínios nas exportações, de 38% para 4,7 milhões de pneus, e nas importações, de 11,4%, com 11 milhões de unidades trazidas de fora.

LEIA MAIS

→Justiça proíbe pneus recauchutados com a marca Turanza

→Indústria de pneus anota vendas 50,5% menores em maio