Apesar do crescimento de 11% nas vendas de julho em relação a junho, as 15 associadas da Abeifa, Associação Brasileira das Empresas Importadoras e Fabricantes de Veículos Automotores, seguem com números negativos no comparativo com idêntico mês do ano passado e também no acumulado do ano.

Os importadores ligados à entidade emplacaram 2.831 unidades no mês passado, ante as 2.551 do mês anterior. Com relação a julho de 2019, quando foram comercializados 2.952 veículos importados, a retração foi de 4,1%. No acumulado do ano foram licenciadas 14,3 mil unidades, decréscimo de 25,4% no comparativo com os primeiros sete meses do ano passado (19,2 mil).

“As nossas associadas, aos poucos, retomam vendas mais expressivas, mesmo diante dos impactos da pandemia e da valorização das moedas dólar e euro. Vale lembrar, no entanto, que os negócios ainda estão lastreados em estoques de unidades importadas antes dessa elevação acentuada do câmbio”, comenta João Henrique Oliveira, presidente da Abeifa.

LEIA MAIS

Em julho sobre junho, montadoras ampliam vendas em 31,4%

Abeifa insiste no pedido de redução do imposto de importação

Anúncio

O executivo destaca que, mesmo com esse cambial desfavorável, as associadas da Abeifa têm sido capazes de seguir cumprindo a missão de renovação tecnológica do parque circulante brasileiro, sendo responsáveis por 46,3% das vendas totais de veículos híbridos e elétricos no País este ano.

A entidade também divulgou balanço das associadas com produção local, que são a BMW, Caoa Chery, Land Rover e Suzuki. As quatro fecharam julho com 2.724 licenciamentos, total que representou aumento de 27,3% sobre junho passado, quando totalizaram 2.139 unidades, e também alta de 2,7% ante o mesmo mês de 2019 (2.653 unidades).

Já no acumulado dos primeiros sete meses, a produção nacional das empresas filiadas à entidade registrou decréscimo de 15,4%, baixando de 17.180 veículos em 2019 para 14.536 unidades este ano.

Considerando apenas os veículos importados pelas suas associadas, a Abeifa representa participação de apenas 1,73% no mercado total de automóveis e comerciais leves. Se forem computadas também as vendas de produtos aqui fabricados, o market share em julho chegou a 3,4%.


Foto: Divulgação/BMW