Com a venda de 211,2 mil novas cotas em janeiro, o sistema de consórcio na área automotiva, incluindo veículos leves, pesados e motocicletas, iniciou o ano de 2021 em queda. Em relação ao mesmo mês de 2020, quando foram registradas 223,4 mil adesões, o recuo foi de  5,5%.

Apenas o segmento de motos teve desempenho positivo, com alta de 4,9% nesse mesmo comparativo – 93,9 mil contra 89,6 mil. A comercialização de novas cotas de automóveis e comerciais leves baixou 12,1%, de 123,4 mil para 108,5 mil, e a de pesados, que inclui tratores, teve redução de 16,3%, passando de 10,3 mil em janeiro de 2020 para  8,6 mil adesões no primeiro mês deste ano.

No cômputo geral do setor automotivo, houve alta de 7,5% no total de participante ativos, que chegou a 6,48 milhões, e de 12,2% no volume de créditos ofertados aos consorciados, com a liberação de R$ 3,76 bilhões em janeiro. Mas o número de contemplações caiu 3,1%, de 93,9 mil para 91 mil no comparativo interanual, conforme dados divulgados esta semana pela Abac, Associação Brasileiras das Administradoras de Consórcio.

Anúncio

LEIA MAIS

Com alta do ICMS, venda de carros despenca em São Paulo

Mercado de veículos desacelera no primeiro bimestre

No segmento específico de veículos leves, o número de participantes chegou a 3,84 milhões, com expansão de 8,2% em 12 meses. O tíquete médio na compra de carros e comerciais leves subiu 12,9%, de R$ 43,5 mil para R$ 49 mil.

Também houve alta no tíquete médio das motos, de 3,2%, com o valor passando de R$ 13,9 mli para R$ 14,3 mil, assim como no de veículos pesados. Nesse caso, o aumento foi ainda mais expressivo, de 46,1%, passando de R$ 158,1 mil para R$ 231 mil.