A Librelato anuncia contrato inédito na indústria brasileira de implementos rodoviários de exportação para o Quênia e Uganda, na África Oriental, mercados com demanda crescente por semirreboques . O negócio envolve mais de US$ 2 milhões neste ano e a previsão é mais do que dobrar esse valor em 2022.

Os produtos serão enviados em sistema CKD para o Quênia, onde serão montados e posteriormente entregues nos dois países que fazem fronteira entre si para diferentes aplicações. “Entendemos as particularidades e necessidades dos frotistas da região e demonstramos que podemos atendê-los plenamente com implementos robustos, com alta tecnologia e total disponibilidade de serviços de pós-venda”, revela José Carlos Sprícigo, CEO da Librelato.

Para buscar novos negócios no exterior a empresa brasileira abriu representação comercial em Lisboa, Portugal. “Com isso ganhamos agilidade para prospectarmos mais parcerias similares às realizadas no Quênia e Uganda em outras regiões próximas”, destaca o executivo.

LEIA MAIS

Consórcio Librelato tem desempenho recorde

Anúncio

Preço do aço ameaça recuperação da indústria de implementos

Os semirreboques que serão exportados para os dois novos mercados conquistados pela Librelato passaram por diversos ajustes técnicos e operacionais para atender as condições mais severas de aplicações naqueles locais. “Além disso, em nossas negociações, asseguramos amplo treinamento da equipe técnica e total suporte para reposição de peças”, complementa Sprícigo.

Segundo o CEO, a Librelato exportou 400 implementos no ano passado, resultado aquém do esperado por causa da crise sanitária que atingiu todos os países no período. A expectativa para 2021, no entanto, é exportar mais de 1.000 produtos. A companhia é a segunda maior exportadora de semirreboques do Brasil.


Foto: Divulgação/Librelato