Parte do investimento de R$ 10 bilhões a ser aplicado no Estado de São Paulo até meados desta década, a General Motors está implementando uma verdadeira transformação em sua fábrica de São Caetano do Sul, SP, para abrigar a linha da nova Chevrolet Montana, que chega para reforçar a presença da marca no concorrido mercado brasileiro de picapes.

Para mostrar o processo de modernização da fábrica, a empresa iniciou websérie em julho, com edições especifícas sobre as direferente etapas da produção. De acordo com Michel Marka, diretor-executivo do complexo, a fábrica do ABC paulista, a mais antiga do setor automotivo no País, “está sendo totalmente atualizada para se tornar uma das mais eficientes do mundo”.

Na última edição da websérie, que foi ar ar no final de outubro, o destaque foi a linha de montagem e os novos ferramentais que estão sendo instalados para garantir maior agilidade e qualidade na operação.

Segundo a GM, a nova linha de Prensas High Speed vai ser a maior e mais produtiva da companhia de toda a América, com capacidade de até 30 mil peças por dia. “A imensa linha de prensas vai ocupar o comprimento de quase um quarteirão. Foi necessário cavar um buraco de 7 metros de profundidade e 12 metros de largura para sua construção”, informa Marina Reitz, líder do grupo de projeto.

Anúncio

Além de estampar peças e moldar as chapas de aço com máxima precisão, a High Speed irá reduzir o consumo de energia em 55%. Uma outra sebsérie foi sobre a área de pintura, onde estão sendo instalados robôs e sistemas inovadores que vão dobrar a automação da operação. Nesse caso, os investimento vão permitir uma redução de 47% no consumo de gás natural na fase de pré-tratamento.

LEIA MAIS

GM mantém o nome Montana para a nova picape

90 anos da fábrica da GM em SCS

Na área de estruturação, onde a carroceria ganha forma com cerca de 850 peças, estão sendo instalados 265 robôs, que elevarão a automação para 98%. “Só no transporte de peças, vamos reduzir o consumo de energia em até 35%, vamos reduzir o consumo de energia em até 35%”, revela Tatyane Alves, responsável pela melhoria contínua.