O desempenho do segmento de implementos rodoviários apresentou mais uma vez escalada na retomada das perdas registradas nos últimos anos de crise. Segundo dados da Anfir, divulgados na segunda-feira, 10 de setembro, no acumulado até agosto, as entregas de implementos rodoviários somaram 55,8 mil unidades, um crescimento de 52,9% com relação ao volume de um atrás, de 36,5 mil unidades.

Apesar da trajetória ascendente, as vendas do ano até agosto ainda representam queda de 36,8% em relação às obtidas no mesmo período de dez antes, quando os emplacamentos nos oito primeiros meses de 2008 contabilizaram 88,3 mil produtos.

Noberto Fabris, presidente da Anfir, observa que o recuo dos negócios no segmento foi de tal ordem durante a crise que “levaremos muito tempo para nos recuperar”.

LEIA MAIS

→Balanço da Anfir aponta trajetória de recuperação

→Anfir abre portas no México

Anúncio

→Anfir estreita relação com o Panamá

Como ocorre no segmento de caminhões, são os chamados produtos da categoria de pesados que também impulsionam as vendas de implementos. De janeiro a agosto, o mercado absorveu 28,1 mil reboques e semirreboques, volume 84% acima do registrado no mesmo acumulado de 2017, quando apurou 15,3 mil vendas.

Na categoria de leves, das carrocerias sobre chassi, as entregas até agosto alcançaram 27,6 mil unidades, alta de 30,5% na comparação com os 21,2 mil implementos vendidos há um ano.

“Historicamente, em termos de unidades, o volume do segmento de leves é maior”, conta Fabris. “Mas como a economia está reagindo lentamente e sem sinais de aquecimento nas cidades, o desempenho da categoria de carrocerias sobre chassi está menor.”