O Sindicato dos Metalúrgicos do ABC se manifestou com indignação e revolta diante da notícia da Ford de encerrar as atividades produtivas na fábrica de São Bernardo do Campo (SP). O presidente de entidade, Wagner Santana, gravou vídeo para a página do Facebook da entidade lamentando a decisão da empresa, que afetará perto de 3 mil empregos diretos.

Segundo conta o sindicalista, a informação foi recebida em uma reunião entre a diretoria do sindicato e os executivos da Ford Lyle Watters, presidente, e Rogelio Goldfarb, vice-presidente. O encontro já estava previsto, em virtude dos questionamentos e reinvindicações acerca de novos investimentos para unidade do ABC paulista e seu futuro, movimento iniciado em 29 de janeiro último. No site do sindicato, aliás, um comunicado convoca os trabalhadores da Ford para uma plenária na sede da entidade na quinta-feira, 21 de fevereiro, na qual se discutiria os encaminhamentos da pauta de cobranças.

LEIA MAIS

→No ano de seu centenário no Brasil, Ford fechará São Bernardo do Campo

→Trabalhadores da Ford reforçam movimento por investimento no ABC

→No ABC, metalúrgicos aguardam reunião com o presidente da Ford

De acordo com funcionário da Ford, o sindicato realizou uma assembleia na fábrica cerca de 30 minutos antes de a empresa divulgar a decisão do fim da produção. A fonte conta que foi decretada greve com volta ao trabalho prevista para segunda-feira, 25 de fevereiro. O funcionário ainda descreve que a notícia gerou muita tristeza e que deverá ser suportada por algum tempo pelos administrativos em função de São Bernardo responder por todas as unidades da companhia na América do Sul.

Anúncio

A Ford Motor Company anunciou na tarde de hoje o encerramento de suas atividades em São Bernardo. O informe foi dado pelo presidente da Ford no Brasil, Lyle Watters, e pelo vice-presidente Rogélio Goldfarb, em reunião com a direção do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC. O encontro havia sido solicitado por nós para discussão de investimentos e futuro da planta do ABC. Em janeiro o sindicato iniciou uma mobilização com os trabalhadores, para cobrar esses investimentos, que estavam previstos em acordo coletivo. Uma coisa é certa: não vamos aceitar passivamente esta decisão. São cerca de 3 mil empregos diretos e mais uma quantidade enorme empregos indiretos. Vamos à luta.

Publicado por Wagner Santana em Terça-feira, 19 de fevereiro de 2019


Foto: Sindicato dos Metalúrgicos do ABC/Divulgação