Omercado de máquinas agrícolas e rodoviárias segue aquecido, com alta de 23,5% no primeiro trimestre, quando foram comercializadas 9.294 unidades, ante às 7.523 do mesmo período de 2018. O desempenho de março foi o melhor do ano, com a venda de 3.768 máquinas, volume 31,6% superior ao de fevereiro (2.863) e 7% maior do que o registrado no mesmo mês do ano passado (3.522).

O vice-presidente da Anfavea responsável pela área, Alfredo Miguel Neto, atribui os bons resultados ao nível de confiança dos que atuam no agronegócio, que têm neste ano a perpectiva de colher a segunda maior safra da história do País: “Os produtores venderam toda a colheita de soja com bons preços, principalmente a partir de negócios com a China, e consequentemente houve aumento dos investimentos em bens de capital”.

Miguel Neto lembrou da Agrishow, que acontece de 29 de abril e 3 de maio em Ribeirão Preto (SP), o mais importante evento do setor na América Latina, que deve contribuir para incrementar ainda mais o mercado de máquinas agrícolas nos próximos meses.

LEIA MAIS

Agrishow reunirá mais de oitocentas marcas

Produção de veículos fica estável no trimestre

Anúncio

Lucro líquido da CNH Industrial cresce 71% em 2018

O vice-presidente da Anfavea ressalvou, no entanto, que o setor está na dependência da renovação dos recursos para o Plano Safra e ainda carece de investimentos em conectividade no campo. “Sem ela não haverá agricultura de precisão e temos de caminhar nesse sentido para acompanhar movimento mundial no campo”.

Apesar do bom desempenho interno, a indústria de máquinas agrícolas e rodoviárias está sendo afetada, assim como acontece no setor de veículos, pela retração do mercado argentino. As vendas externas em março, com 1.111 unidades embarcadas, foram positivas em relação a fevereiro (832 unidades), mas registraram queda de 9,5% em relação ao mesmo mês do ano passado, o que contribuiu para a retração de 8,6% nos negócios externos do setor no trimestre – 2.683 contra 2.936 unidades.

Em função do quadro externo negativo, a produção também caiu no período. Foram fabricadas 10.668 unidades nos primeiros três meses do ano, volume 9,4% inferior ao registrado no mesmo período do ano passado (12 mil unidades).


Foto: Divulgação/Case IH