A Scania revisou suas estimativas de mercado para 2019. Se no início do ano esperava alta de 10% a 20%, agora coloca no horizonte próximo crescimento de 40% a 50% nas vendas de veículos semipesados e pesados, categorias nas quais atua. Caso a expectativa se concretize, os licenciamentos alcançarão volumes entre 60 mil e 64 mil unidades.

Parte da aposta da fabricante se deve ao desempenho da sua nova geração de caminhões apresentado até aqui. Em apenas sete meses, desde que iniciou as vendas dos caminhões, a empresa já conta carteira de 10 mil encomendas. Segundo os dados da Anfavea, as entregas da Scania nos oito primeiros meses somam 8,4 mil caminhões acima de 16 toneladas, alta de 31,6% sobre os licenciamentos de um ano antes, de 6,4 mil unidades.

“Os novos caminhões geram resultados e o transportador enxerga vantagem para investir”, resume Silvio Munhoz, diretor comercial da Scania. “O ambiente também se mostra maneira positiva com mais facilidade de obter crédito e taxas de juros mais baixas. A própria parcela de autônomos nas nossas vendas reflete o cenário: dos 10 mil pedidos, pouco mais de 4 mil são de clientes proprietários de um a cinco caminhões.”

LEIA MAIS

Anúncio

→Scania alcança frota de 20 mil veículos conectados no País

→Scania investirá R$ 1,4 bilhão de 2021 a 2024

→Scania inicia vendas da nova geração de caminhões

Na esteira da oferta da nova geração, a Scania também alcança a marca de 24 mil veículos conectados no Brasil, a maior frota de todo o mundo. Com a conectividade, o transportador passa a usufruir dos Serviços Conectados da companhia, contribuindo com maior controle na gestão dos veículos.

Dentre as ofertas da Scania, o chamado Pacote Análise, gratuito por dez anos, entrega relatórios semanais e mensais a respeito do desempenho do caminhão ou do ônibus, enquanto o Pacote Desempenho, mais completo e pago, amplia as garantias de disponibilidade dos veículos e de redução nos custos operacionais.


Foto: Scania/Divulgação