Impulsionado principalmente pela expansão de 92,6% na receita com veículos seminovos, o faturamento da locadora Movida ultrapassou R$ 1 bilhão no terceiro trimestre. O valor, alcançado pela segunda vez na história da empresa, representa evolução de 54% frente ao mesmo período de 2018. Entre julho e setembro, a Movida vendeu 14,5 mil automóveis, 82,7% a mais do que um ano antes.

O terceiro trimestre de 2019, na verdade, foi de vários recordes históricos para a empresa criada e  2013, passou a integrar o Grupo JSL sete anos depois e desde 2017 tem seu capital aberto. O lucro líquido trimestral, por exemplo,  cresceu nada menos do que 45,8% sobre igual período do ano passado e atingiu R$ 60 milhões.

Já o Ebtida apresentou expansão nas margens de todas as linhas de negócios, com aumento consolidado de 51% em serviços e R$191,8 milhões, o maior valor já registrado pela empresa. A margem líquida também foi a melhor já computada, atingindo 16%, com evolução de 2,6 pontos porcentuais frente ao 3T18.

“Ainda há muito espaço para melhorar nossos indicadores. Acreditamos que o setor corporativo de Rent-a -Car, por exemplo, ainda terá crescimento mais acentuado com o reaquecimento da economia brasileira, possivelmente concentrado nos próximos trimestres”, comenta Renato Franklin, CEO da Movida.

Anúncio

LEIA MAIS

→ Toyota lança serviço de locação em suas concessionárias

→ Fenabrave critica vendas diretas e pede reforma tributária

A locadora tem crescido também estruturalmente. Sua frota foi ampliada em 24% em um ano e agora compreende  110 mil automóveis, perto de 71 mil deles alocados em Rent-A-Car (+10,4%) e 39 mil em Gestão e Terceirização de Frotas (+59,2%).

A rede de atendimento ganhou mais 10 pontos sobre a estrutura de outubro de 2018, quatro voltados para o RAC e seis para seminovos. A empresa conta agora com 188 lojas de aluguel e 66 de vendas de seminovos em todo o País.


Foto: Divulgação/Movida