Ao fazer um balanço positivo da marca ao longo deste desafiador ano de 2020, o CEO da Volkswagen América Latina, Pablo Di Si, admitiu nesta quarta-feira, 9, que os esperados gargalos na produção previstos para junho e julho só estão ocorrendo agora e devem perdurar até o próximo mês.

“Até a cadeia, que é longa, conseguir se estabilizar, teremos problemas pontuais, paradas de algumas linhas e dificuldades na produção de alguns modelos agora em dezembro e também em janeiro. Vamos conviver com isso nos próximos 30 a 40 dias”, previu o executivo, ao comentar informação divulgada na véspera pela Anfavea sobre risco de paralisações no setor automotivo por falta de peças e matérias-prima.

Di Si lembrou que o setor automotivo reagiu mais rápido do que o esperado mundialmente. Citou especificamente o mercado brasileiro e o argentino, além da China. “Isso acabou gerando um problema global de abastecimento. Não é só aqui que estamos com dificuldades de suprimento”.

Diante desse quadro, o CEO da Volkswagen não vê possibilidade de crescimento expressivo no próximo ano. “A Anfavea acredita em um mercado de 2,4 milhões de veículos em 2021. Acho uma visão super otimista. A pressão dos custos é muito grande e isso interfere nos preços. Nosso planejamento é em cima da previsão da Anfavea, de uma venda total de 2,4 milhões de unidades, mas há limitações que podem impedir a conquista dessa meta”.

Ele também falou da desvalorização do real, fator decisivo na pressão dos custos, informando que a Volkwagen pretende acelerar projetos de nacionalização de peças aqui e na Argentina. “É um projeto para 5 anos ou mais, mas em 2 a 3 anos já devemos ter resultados positivos nesse processo”.

Di Si prometeu para 2021 a divulgação de um novo ciclo de investimentos para o Brasil, mas não adiantou detalhes sobre o que virá pela frente, tanto em modelos nacionais como no segmento de elétricos e híbridos. Só falou do SUV Taos que está sendo produzido na Argentina e chega no mercado brasileiro no segundo trimestre do ano que vem.

Anúncio

LEIA MAIS

Volkswagen estreia serviço de carros por assinatura

Volkswagen Taos chega no segundo trimestre de 2021

Volkswagen inaugura linha de pintura em General Pacheco

“Realizamos a maior ofensiva de SUVs da Volkswagen do Brasil, trazendo modelos inovadores, seguros, versáteis, confortáveis e com elevado nível de tecnologia e conectividade para atender os mais diferentes perfis de consumidores”, comentou o executivo, lembrando que o Taos chega para completar a linha de produtos do segmento que mais crece no País e no mundo.

Na sua avaliação, a participação dos SUVs no mercado brasileiro, hoje em 22%, deve chegar a uma faixa de 30% a 35% já nos próximo anos, com chance de chegar a 40% futuramente. “Juntos, Nivus, T-Cross, Tiguan e Taos formam um time de SUVs único no País e estamos muito confiantes no sucesso desse quarteto”, destacou Di Si.

Dentre as conquistas de 2020, ele fez questão de citar o lançamento 100% digital do Nivus no primeiro semestre, o sucesso do T-Cross, que no acumulado do ano é líder no segmento de SUVs, e ganhos de participação da marca Volkswagen no mercado brasileiro. Com relação ao Nivus, lembrou que ele  já é exportado para a Argentina, Uruguai e Paraguai, com planos de seguir em breve para outros mercado latino-americanos.


Foto: Divulgação/VW