Com o mercado aquecido desde o segundo semestre do ano passado, a indústria de implementos rodoviários vive uma crise de desabastecimento de componentes e insumos, que vem prejudicando sua produção e impedindo a oferta adequada de equipamentos para os clientes brasileiros.

Diante desse cenário, a Rodofort decidiu buscar parceiros externos e acaba de receber o primeiro lote de pneus importados da Índia que vão equipar produtos que estavam no pátio aguardando a entrega final ao cliente. Na semana passada a Anfir, Associação Nacional da Indústria de implementos Rodoviários, divulgou balanço mostrando queda nas vendas em abril justamente por falta de componentes, em particular os pneus.

“Nesse momento de escassez é preciso conhecer bem o mercado internacional para saber aonde buscar a melhor solução”, comenta Alves Pereira, diretor-geral da Rodofort. “Nosso departamento de compras mantém-se atualizado sobre a indústria mundial para garantir oferta compatível com a demanda no Brasil”.

Mais quatro contêineres, com total de 1,5 mil pneus, chegarão ao País em julho. Pereira explica que no ano passado a empresa tentou fazer a importação direta, mas as taxas tornaram a operação inviável. Neste ano, a importação está sendo feita com tradings especializadas em comércio internacional.

LEIA MAIS

Venda de implementos cai em abril por causa da falta de pneus

“Não teremos produtos customizados por causa da falta de componentes, mas poderemos oferecer diferentes opções para que eles não parem de transportar cargas”, afirma o executivo.

O problema com desabastecimento de peças vem afetando a indústria automobilística em geral desde o ano passado. A falta de semicondutores, por exemplo, já levou a paralisação de linhas de montagem e concessão de férias coletivas em algumas montadoras. A General Motors é um das mais afetadas no momento. A empresa suspendeu a produção da fábrica de Gravataí, RS, em março e só deve retornar em junho.

Anúncio

Na sexta-feira, 7, o presidente da Anfavea, Luiz Carlos Moraes, admitiu que os fabricantes de caminhões têm tido dificuldades na compra de pneus, o que tem gerado estoques nos pátios de veículos incompletos. O diretor da Rodofort lembrou que o implemento rodoviário é um bem de capital e, sem ele, o transportador não trabalha. “Por isso é preciso buscar soluções para manter o fornecimento aos clientes”, avalia o executivo.

“Há fabricantes inseridos em países com o clima semelhante ao nosso, como a Índia, e os pneus produzidos nesses locais tendem a sofrer um processo similar de desgaste aos fabricados no Brasil”, explica Pereira, garantindo que a qualidade dos pneus importados melhorou muito ao longo dos últimos anos.

Além da Índia, fabricantes localizados na China e no Vietnã também são opções para novos negócios. “No mundo globalizado ninguém fabrica nada exclusivo para o mercado doméstico. É preciso ter produto adequado para ganhar o mercado externo”, destaca Alves.

Com isso, na prática, a Rodofort desenvolve novos fornecedores, que poderão se tornar mais conhecidos e respeitados no mercado brasileiro, tornando-se opções constantes, mesmo com o mercado equacionado; além de manter o atendimento aos seus clientes nesse momento.


Foto: DivulgaçãoRodofort