Exatamente uma semana após terem sido surpreendidos pela notícia de fechamento da unidade industrial de São Bernardo do Campo, SP, os trabalhadores da Ford retornam nesta terça-feira, 26, aos portões da fábrica para participar de assembleia convocada pelo Sindicato dos Metalúrgicos do ABC para definir os próximos passos de mobilização para tentar reverter a decisão da montadora.

O encontro está marcado para às 7h na portaria 5, na avenida avenida Taboão, 899, e ao seu final os metalúrgicos prometem seguir em passeada pela cidade.

O Sindicato dos Metalúrgicos do ABC nada adiantou sobre eventuais propostas a serem feitas na assembléia desta terça-feira. O que já se sabe é que a entidade está tentando encontro com dirigentes da matriz nos Estados Unidos e que foi frustrada a reunião realizada na semana passada entre o governador de São Paulo, João Doria, e o presidente da Ford para a América do Sul, Lyle Watters.

Como a montadora não cedeu em sua decisão de fechar a fábrica do ABC paulista, o governo paulista se comprometeu a participar de processo para achar compradores interessados no complexo industrial.

LEIA MAIS

Sindicato do ABC aguarda reunião com direção mundial da Ford

Ford não cede e governo ajudará na venda da fábrica do ABC

Anúncio

No ano de seu centenário no Brasil, Ford fechará São Bernardo do Campo

Por orientação do sindicato, os trabalhadores da Ford estão parados desde a última terça-feira, 19. A decisão foi tomada logo após reunião dos dirigentes sindicais com a direção da empresa, quando foi comunicado o fim da produção de caminhões e do Fiesta no País.

LEIA MAIS

Trabalhadores da Renault conquistam PLR de R$ 25,5 mil

Há um mês os metalúrgicos vinham se mobilizando para exigir investimentos em novos produtos na planta do ABC paulista, sem os quais, já se temia, ela poderia ser fechada. Houve uma série de assembleias internas nas duas primeiras semanas deste mês, com o intuito de garantir que as negociações entre as partes fossem retomadas.

No final de 2017, houve um acordo entre o sindicato e a Ford que garantia estabilidade de dois anos para os trabalhadores de São Bernardo, período durante o qual a montadora estudaria novos investimentos locais.

 


Foto: Divulgação/SMABC