No início do segundo semestre de 2017, a campanha publicitária de lançamento do Renault Kwid teve como protagonista Hulk, o personagem da Marvel conhecido pela força descomunal. Passados dois anos, o hatch mostra que a escolha do garoto-propaganda foi acertada ou até premonitória.

O modelo tornou-se o Renault mais bem-sucedido de vendas no Brasil já no ano seguinte e hoje responde por nada menos do que 37% de todos os veículos que a marca negocia no País. Se considerados apenas os automóveis, excluindo-se o segmento de comerciais leves, o compacto tem 41% dos licenciamentos da Renault.

De janeiro a setembro, foram emplacadas 64,9 mil unidades do modelo, dos mais de 174,5 mil Renault registrados. O segundo modelo da montadora mais vendido no mesmo período foi o Sandero — líder de vendas da marca em 2017 —mas bem distante, com 36 mil licenciamentos.

Em setembro, o hatch, que já  ultrapassou 150 mil unidades vendidas no Brasil desde seu lançamento em agosto de 2017,  foi o terceiro carro mais vendido no mercado interno, com 8,8 mil unidades.  O resultado acumulado nos nove primeiros meses deste ano supera em nada menos do que 40% o volume registrado em igual período do ano passado.

Anúncio

LEIA MAIS

→ Mercado de carros importados segue desacelerado

→ Fenabrave apoia projeto de lei que regulamenta vendas diretas

Isso em cenário de crescimento médio do mercado de 8,75%.Esse desempenho chama ainda mais a atenção quando se sabe que as vendas diretas têm crescido abruptamente no País e que elas não têm sido o fator preponderante para a forte evolução de mercado do pequeno notável da Renault.

Apenas 13,9 mil unidades do modelo foram negociadas pelos canais diretos ao longo deste ano, segundo a Fenabrave. Algo como 20% do total de emplacamentos. É relação muito inferior, por exemplo, à do Onix, líder do mercado interno. Pouco mais de 76 mil das 179 mil unidades do Chevrolet licenciadas em 2019 se deveram às vendas diretas, 42% do total, o dobro do registrado pelo Kwid.


Foto: Divulgação/Renault