AMercedes-Benz já vende no Brasil os novos GLC nas configurações SUV e cupê, que chegaram ao mercado europeu no início do ano com leve atualização visual, mais equipamentos de conforto e segurança e, principal novidade, motor 2.0 turbodiesel, de 194 cv e 39 kgfm de torque.

A nova motorização, disponível nas versões GLC 220d Off -Road (R$ 294,9 mil) e Enduro 220d 4MATIC (R$ 329,9 mil), pode levar o modelo de zero a 100 km/h em 7,9 segundos e a 215 km/h de velocidade máxima.

A carroceria cupê, entretanto, agora é vendida apenas na versão 300 4MATIC com motor de quatro cilindros a gasolina 2.0 turbo, de 258 cv e 37,7 kgfm. É o GLC mais caro (R$ 362,9 mi) e de desempenho superior: zero a 100 km/h em 6,3 segundos e 240 km/h de velocidade máxima, limitada eletronicamente.

A linha 2020 do SUV traz sofisticações como faróis full LED, air bags para os joelhos e assistente virtual que, mediante comando de voz, dentre outras informações e serviços, fornece dados do veículo, ajusta o ar-condicionado ou escolhe uma estação de rádio, por exemplo.

Agora há ainda pacote de assistência a condução, com manutenção na faixa de rolamento e controle de velocidade adaptativo, abertura do porta-malas com o movimento dos pés, sensor de ponto cego e câmera de 360º para manobras.

Anúncio

Os GLC têm ainda peso discreto no volume negociado pela Mercedes-Benz no Brasil. Somaram 1.156 unidades dos quase 14,4 mil emplcamentos da marca em 2018, menos de 10% do total. Muito aquém do líder Classe C, com mais de 5 mil unidades licenciadas, seguido do GLA, com quase de 3 mil emplacamentos em 2018.

Ainda assim, os novos SUVs podem ajudar a reverter o atual quadro do segmento premium que, se mantido até o fim do ano, representará a quebra de uma hegemonia de meia década da Mercedes-Benz aqui.

Desde 2013, a montadora lidera o segmento com relativa facilidade. No ano passado, sua vantagem sobre a segunda colocada, a BMW, foi de 4 mil veículos.

LEIA MAIS

→ Audi apresenta os novos A6 a A7 na ArtRio

→ Mercado de carros importados segue desacelerado

→ BMW 320i está preste a chegar ao Brasil

Em 2019, porém, a concorrente tem 9.029 licenciamentos no acumulado até setembro, 47 unidades a mais do que a Mercedes-Benz. Nos primeiros nove meses de 2018, as posições eram inversas, com a Mercedes liderando com 10,3 mil unidades emplacadas, bem à frente da BMW, que acumulava então 8,3 mil veículos vendidos.

Ou seja: enquanto as vendas da BMW cresceram 9% em 2019, as da Mercedes-Benz  recuaram quase 13%. A Audi, com 6,2 mil veículos emplacadas, apenas repete o desempenho do ano passado, enquanto a Volvo viu suas vendas aumentarem mais de 20%, para 5,4 mil, suficientes para que a marca superasse a Land Rover, agora a quinta mais vendida do segmento, com 4,3 mil unidades, queda da ordem de 20%.

A briga entre as duas primeiras colocadas promete será unidade a unidade até o encerramento de dezembro. A BMW assumiu a ponta somente no mês passado, quando atingiu 1.286 emplacamentos, apenas 56 a mais do que a concorrente.

No acumulado até agosto, a diferença era ainda mais estreita, mas em favor da Mercedes-Benz : 7.752 unidades contra 7.743, somente 9 veículos a mais.


 

Foto: Divulgação/MB