Apesar dos impactos negativos gerados com o avanço do contágio da Covid-19, a Marcopolo anotou resultados positivos no balanço do primeiro trimestre do ano. No período a receita líquida da empresa alcançou R$ 919,4 milhões, valor 2,3% superior ao obtido no mesmo trimestre do ano anterior, de R$ 898,6 milhões.

Os negócios efetuados no mercado brasileiro se mostraram como a maior alavanca no desempenho, com participação de 51,1% no faturamento total. De janeiro a março, as vendas de ônibus geraram R$ 469,6 milhões, 14,2% maior em relação ao valor registrado um ano antes, de R$ 411,3 milhões.

Segunda José Antonio Valiati, diretor financeiro e de Relações com os investidores da Marcopolo, o balanço traduz os efeitos da Covid-19 nos mercados externos, afetados pela pandemia antes do Brasil que, até então, seguia trajetória de crescimento. “A queda de produção e entregas no Brasil aconteceu somente no final do mês de março, quando a empresa adotou as férias coletivas em todas as unidades no País.”

Alta da EBTIDA, lucro menor

Ainda a receita proveniente dos mercados externos cresceu 6,3%, de R$ 221,9 milhões registrados no primeiro trimestre de 2019 para R$ 235,9 milhões faturados de janeiro a março de ano.

O EBITDA (Lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortizações) no primeiro trimestre atingiu R$ 101,9 milhões, alta de 6,8% e margem de 11,1%, 4 pontos porcentuais a mais na comparação com o desempenho de um ano atrás, quando anotou R$ 60,6 milhões e margem de 6,7%.

O lucro líquido da Marcopolo nos primeiros três meses do ano chegou a R$ 10,7 milhões, 60,3% menor em relação do resultado apurado no primeiro trimestre do ano passado, de R$ 27 milhões. A margem foi de 1,2% contra 3% de margem líquida anotada no mesmo período do ano anterior.

Anúncio

Ritmo no chão de fábrica

No primeiro trimestre as operações industriais da Marcopolo produziram pouco mais de 3,4 mil unidades, 2,7% inferior aos 3,5 mil ônibus montados nos três primeiros meses do ano passado. A operação brasileira foi responsável por 2,9 mil unidades, pequena queda de 1%. Do total produzido no Brasil, 693 ônibus se destinaram a mercado externo, uma queda de 30,6% em relação aos 999 ônibus embarcados um ano antes.

Segundo comunicado, a Marcopolo estima um segundo trimestre de menor demanda em todos os mercados, mas ao considerar o atual ritmo de pedidos e de produção, associado às adoções de medidas de reduções de custos e dispositivos governamentais, a empresa confia em atravessar o momento desafiador com segurança e consistência.

“Iniciamos a crise com uma boa carteira de pedidos e houve poucos cancelamentos. Desde o fim das férias coletivas, mantemos aproximadamente 50% da mão de obra em atividade nas unidades nacionais e, apesar da produção em volumes menores, continuamos recebendo novos pedidos diariamente, tanto para o mercado interno, como, em especial, para o mercado externo, compondo uma carteira que, mantido o ritmo atual de produção no Brasil, teremos estabilidade até o fim de julho”, destaca o diretor financeiro.

LEIA MAIS

→Marcopolo estuda adoção de grafeno em suas carrocerias

→Marcopolo amplia participação no transporte público chileno

→Marcopolo tem faturamento recorde de R$ 4,3 bilhões


Foto: Vinicius Pauletti/Marcopolo-Divulgação