A Renault encerrou o primeiro semestre como a 6ª marca mais vendida no mercado interno, com 7,9% de participação e quase 60 mil automóveis e comerciais leves negociados. Perdeu 1,2 ponto porcentual e três colocações no ranking de vendas com relação ao mesmo período de 2019, ano em que cravou resultado histórico no Brasil ao assegurar a quarta colocação com 9% de penetração.

Encerrar 2020 novamente entre as quatro primeiras montadoras não é missão das mais difíceis, porém. A diferença para a Hyundai, atual quarta colocada, é de apenas 3,3 mil veículos, e para a Ford, quinta no ranking, meras 562 unidades.

Na verdade, as três marcas, mais a Toyota, que aparece como a sétima colocada, com 1,1 mil veículos a menos do que a Renault no semestre, protagonizam a mais apertada disputa no ano. A diferença entre a Hyundai e a Toyota é de somente 0,6 ponto porcentual, ou menos de 4,5 mil veículos.

Renault

O equilíbrio é tanto que, nos seis primeiros meses do ano, Toyota e Hyundai estiveram no quarto posto por duas vezes e Renault e Ford uma vez cada. Com margem tão estreita, nenhuma das marcas pode garantir que integrará ou não o seletíssimo grupo conhecido como as “Big Four”ao lado de GM, Volkswagen e Fiat.

Portanto, a atual posição da Renault também não está assegurada e a montadora trata de ganhar fôlego com ações de curtíssimo prazo para reacelerar as vendas, especialmente em produtos de maior demanda.

Anúncio

Esta semana, por exemplo, deflagrou campanha de varejo até o fim de julho para Kwid e Sandero batizada de “Operação 3 em 1”. Ela contempla preço de nota fiscal de fábrica, parcelas inciais de financiamento menores e três revisões inclusas.

O Kwid Zen está sendo oferecido por preços a partir de R$ 39.990, com parcelas de R$ 360 mensais até o Carnaval de 2021 para plano com 40% e 54 meses — as 48 últimas de R$ 712,73. A versão dispõe de ar-condicionado, direção hidráulica, rádio e quatro airbags.

LEIA MAIS

→ Renault incorpora versão GT Line na linha Sandero

→ Chevrolet renova S10 para enfrentar concorrência crescente

O preço sugerido para o Sandero Life parte de R$ 44.990, com parcelas mensais de R$ 390 também até o Carnaval  do ano que vem, 40% de entrada e 54 mensalidades, as 48 finais de R$ 777,57.  Por mais R$ 20 em cada uma delas, o consumidor pode comprar a versão Zen, que conta com central multimídia e sensor de estacionamento.

A escolha para impulsionar momentaneamente esses dois modelos se deve ao fato de serem os  de maior potencial de vendas. Já são os mais vendidos da marca. O Kwid somou 23,6 mil unidades licenciadas de janeiro a junho e o Sandero, 13,2 mil. Juntos, responderam por 67% de todos os carros de passeio Renault vendidos no período.

O Kwid, em especial, sentiu mais o caos econômico e sanitário de 2020. Líder entre os carros de entrada em 2019,  com 85,1 mil unidades licenciadas, foi ultrapassado no primeiro semestre pelo Gol: acumulou 23,6 mil licenciamentos contra 24,8 mil do hatch da Volkswagen.


Foto: Divulgação