Várias entidades do setor automotivo, incluindo Fenabrave, Fenauto, Sincodiv, Abraciclo e Abeifa, se uniram para tentar reverter o aumento do ICMS para veículos novos e usados em São Paulo, programado para a próxima sexta-feira, 15. Haverá reunião na véspera com representantes da Secretaria da Fazenda do Estado e caso não haja uma solução via diálogo as entidades não descartam entrar com ação judicial para reverter a medida.

Em entrevista coletiva na manhã desta quarta-feira, 13, executivos de todas essas entidades revelaram que a alta do  ICMS terá efeito nefastos para o setor automotivo e para o Estado, incluindo o aumento da informalidade na venda de usados, com consequente queda da arrecadação de tributos, desemprego e migração de lojas e vendas para Estados vizinhos.

O ICMS dos veículos usados terá alta de 207% a partir de sexta-feira e o de carros novos subirá de 12% para 13,3% nesta primeira etapa e para 14,5% a partir de primeiro de abril.

Lembrando que são 1,7 mil concessionárias no Estado, o presidente da Fenabrave, Alarico Assumpção Júnior,  definiu o decreto que aumenta o ICMS em São Paulo como imoral. Ele previu o fechamento de lojas, desemprego e até a falência do setor se não houve uma reversão desse quadro.

Já o presidente da Fenauto, Ilídio dos Santos, garantiu que os lojistas independentes de usados e seminovos somam 1,5 mil pontos de venda em São Paulo, gerando no total 300 mil empregos, entre diretos e indiretos. “O governo está penalizando um setor que já sofreu muito na pandemia”, comentou o executivo, adiantando o risco de haver entre 50 mil a 60 mil demissões nas lojas paulistas caso o aumento do ICMS seja mantido.

Também o presidente da Abeifa, a entidade que representa os importadores de veículos, João Henrique Oliveira, previu aumento da informalidade na venda de automóveis , destacando que faltou sensibilidade a mais diálogo por parte do governo do Estado.

Anúncio

Durante a coletiva foi comentada a decisão da Ford de suspender a produção de veículos no Brasil, com posição comum entre os participantes de que a instabilidade nas regras e medidas abruptas como a decisão do governo de São Paulo de aumentar o ICMS dos carros novos acabam afastando investidos do País.

“A mudança das regras do dia para a noite assustam os investidores”, comentou o presidente da Abeifa. “O apetite do governo de resolver seus problemas em cima da iniciativa privada, subindo impostos ao invés de cortar custos e buscar outras saídas, só traz prejuízos a todos, incluindo os consumidores que vão pagar mais pelos bens adquiridos”.

LEIA MAIS

Montadoras criticam aumento do ICMS em São Paulo

Revendedores de carros usados protestam contra alta do ICMS

Fenabrave negocia revisão da alta do ICMS dos carros em São Paulo

Assumpção Júnior insistiu que uma ação judicial será a última medida a ser adotada pela Fenabrave, dizendo que ainda aposta no diálogo. Já o presidente da Fenauto informou que a entidade já marcou uma reunião para sexta-feira, 15, com o seu departamento jurídico para avaliar ações cabíveis caso o encontro de amanhã com o governo de São Paulo não surta efeitos positivos.