A Fenatran, maior evento do setor de transportes rodoviário de cargas da América Latina, não acontecerá mais em 2021, como estava previsto. A organizadora Reed Exhibitions, que passa agora a ser conhecida apenas como RX, entrou em acordo com os expositores, especialmente as fabricantes de caminhões, para adiar a mostra em mais de um ano.

A 23ª edição da feira de transportes estava marcada inicialmente para18 a 22 de outubro no São Paulo Expo, em São Paulo. A continuidade e agravamento da pandemia, além das perspectivas mais alongadas de imunização da população, justificaram o adiamento para novembro de 2022.

“A medida tem como base a reavaliação do cenário atual da pandemia de Covid-19 no Brasil e na cidade de São Paulo, e está alinhada com as expectativas e recomendações de entidades e empresas do setor”, afirmam os organizadores. “Superar o contesto atual é ainda um desafio”, admite Luiz Belini, diretor de portfólio da RX.

O adiamento da Fenatran não chega a ser uma surpresa. Ainda que não de forma oficial, duas das maiores montadoras de caminhões instaladas no Brasil, Mercedes-Benz e Volkswagen Caminhões e Ônibus, já tinham manifestado que não participariam da edição deste ano. A própria Anfavea, apoiadora do evento, também admitira que não teria seu tradicional estande no evento.

A última edição da Fenatran foi realizada em 2019 e contou com mais de 65 mil visitantes. A de 2022 tem como datas 16 a 20 de novembro, também no São Paulo Expo, em São Paulo. O hiato de quase três anos entre uma e outra a RX pretende “preencher” com série de eventos virtuais batizados de Rota Digital Fenatran.

Anúncio

Pelo menos nos próximos quatro meses, via plataforma da RX, serão realizados fóruns, painéis de discussão sobre o mercado e futuro da indústria de transportes, rodadas de negócios online, apresentação de veículos e test-drives virtuais e interativos.

“Com essa iniciativa, vamos consolidar a Fenatran como uma plataforma permanente de negócios”, afirma Ana Paula Pinto, gerente do evento, que promete novidades em várias frentes da edição 23ª, que seguirá mesclando o evento físico com o mundo digital.

LEIA MAIS

→ Link Summit Fenatran debate os entraves do crescimento

→ Tatra apresenta os caminhões que serão produzidos no Brasil

“O modelo do evento não mudará”, completa Bellini, mas que reconhece que os grandes expositores já demandam áreas menores nos pavilhões do São Paulo Expo.

Essa maior disponibilidade de áreas, pondera o executivo, permitirá que a RX abra oportunidade, a preço mais acessível,  para a presença física de empresas menores, como as de e-commerce, que também devem se valer das ferramentas digitais da mostra e que ameallharam perto de 400 mil “visitantes” na edição de 2019.


Foto: Divulgação