Em assembleia na manhã de quarta-feira, 13, na porta da fábrica da General Motors, em São Caetano do Sul (SP), os trabalhadores rejeitaram contraproposta parcial apresentada pela empresa na sexta-feira, 8. Com a decisão os metalúrgicos seguem em greve que, agora, será julgada pelo TRT-2, o Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região. A produção na unidade está parada desde o dia 1º

De acordo com nota do Sindicato dos Metalúrgicos de São Caetano do Sul, na negociação a empresa já havia aceitado a proposta de reajuste de 10,42% salarial baseado no INPC acumulado até agosto, além de outros itens relacionados a Vale-Transporte e refeições no restaurante da fábrica.

A principal divergência se refere à Cláusula 42, artigo de acordo coletivo que trata da estabilidade de emprego aos funcionários portadores de doenças ocupacionais, como lesões ocasionadas por movimentos repetitivos. Segundo o sindicato, item do qual “não abre mão”. Outro impasse diz respeito ao reajuste no valor do Vale-Alimentação.

Como nas ocasiões anteriores durante a greve, a GM diz em nota estar fazendo todos os esforços para chegar a um acordo justo para ambas as partes. “Considerado o atual cenário econômico e os impactos da pandemia, esperamos poder retomar a produção o mais rápido possível.”

Anúncio

De acordo com o sindicato, por volta de 4,1 mil trabalhadores aderiram ao movimento. A unidade de São Caetano, no entanto, por falta de componentes, esteve paralisada entre os meses de maio e junho. No período, a empresa também aproveitou para adiantar processo de readequação na linha para receber nova picape Chevrolet, já confirmada pela fabricante.

LEIA MAIS

Trabalhadores da GM decidem manter greve em SCS

GM quer dobrar faturamento mundial até 2030

GM retoma segundo turno nas fábricas brasileiras

GM interromperá produção por seis semanas em São Caetano do Sul


Foto: SMSJC/Divulgação